Equador diz querer diálogo com Colômbia apesar de obstáculos

O Equador disse nesta quinta-feira que mantém a vontade de restabelecer suas relações diplomáticas com a Colômbia, após um juiz equatoriano ter ordenado a captura de um comandante das Forças Militares colombianas por um bombardeio em 2008 no qual morreu um líder das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

REUTERS

15 de outubro de 2009 | 18h08

Uma reunião prevista para sexta-feira no Equador, antes de um encontro de chanceleres de ambos os países em 3 de novembro, foi suspensa a pedido da Colômbia, após um juiz local ter ordenado a captura do general Freddy Padilla pelo ataque colombiano em território equatoriano no qual morreu Raúl Reyes e ao menos outras 24 pessoas.

"Reafirmo que do lado do Executivo, do lado do governo, temos uma vontade política de avançar, de construir nestes diálogos que estamos tendo com a Colômbia, que permitam uma normalização das relações diplomáticas", afirmou o chanceler Fánder Falconí, citado no comunicado.

"A função executiva não tem nenhuma capacidade de designar, intervir, controlar ou decidir sobre o Ministério Público (...) nesse sentido, isto responde a uma decisão autônoma da Justiça equatoriana", acrescentou o documento.

A Justiça equatoriana já havia vinculado ao processo o ex-ministro de Defesa colombiano, Juan Manuel Santos, e pediu sua captura com fins de extradição, o que provocou uma reação enérgica do presidente Alvaro Uribe, que afirmou defendê-lo em qualquer cenário judicial.

A rejeição da jurisdição extraterritorial da Justiça equatoriana é um dos pontos mais sensíveis que a Colômbia procura acertar em seus contatos com o Equador para recompor as relações com seu vizinho, com o qual divide uma fronteira terrestre de mais de 580 quilômetros e é seu terceiro maior parceiro comercial.

Por sua vez, o ministro de Defesa equatoriano, Javier Ponce, classificou de "inoportuna" a decisão do juiz e disse que espera que a Colômbia remarque a reunião de sexta-feira.

(Reportagem de Javier Mozzo Peña)

Tudo o que sabemos sobre:
EQUADORCOLOMBIADIALOGO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.