Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Equador e Colômbia estão satisfeitos com resolução da OEA

Chanceler equatoriana afirmou que 'avaliará' o restabelecimento das relações entre os dois países

Efe,

18 de março de 2008 | 04h27

Os chanceleres de Equador e Colômbia expressaram nesta terça-feira, 18, sua satisfação com o documento aprovado pela reunião de chanceleres da Organização dos Estados Americanos (OEA) sobre o conflito entre ambos os países. Veja tambémOEA chega a consenso sobre crise entre Colômbia e EquadorPor dentro das Farc Entenda a crise   Histórico dos conflitos armados na região   A chanceler do Equador, María Isabel Salvador, qualificou de "claro triunfo" o texto da resolução aprovado pelos ministros das Relações Exteriores da América e afirmou que seu país "avaliará" o restabelecimento das relações diplomáticas com a Colômbia quando considerar oportuno. Em entrevista coletiva ao término da sessão de chanceleres, Salvador disse que "uma vez quebrada, é difícil recuperar a confiança", mas mostrou seu desejo de que as relações "se restabeleçam no menor tempo possível". Destacou que, na sua opinião, todos os princípios colocados pelo Equador foram respaldados pelos países da OEA. O chanceler colombiano, Fernando Araújo, apesar de menos triunfalista, também se mostrou satisfeito com o resultado. Explicou que sua delegação alcançou os objetivos que tinha fixado, que se referiam a "conseguir uma cooperação com o Equador na luta contra delinqüentes, terroristas, insurgentes e contra todas as formas de delinqüência que se produzem na fronteira, especialmente o narcotráfico e o terrorismo". "Nosso objetivo principal era estabelecer um mecanismo de verificação para que a cooperação seja efetiva. Esse é o elemento novo em todo este processo que começou com o Conselho Permanente da OEA, continuou com o Grupo do Rio e culminou hoje com a reunião de ministros", disse Araújo.

Tudo o que sabemos sobre:
EquadorColômbiaOEAFarc

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.