Ki Price/Reuters
Ki Price/Reuters

Equador espera decidir sobre asilo a Assange nesta semana

Fundador do WikiLeaks se refugiou na Embaixada do Equador em Londres, na Grã-Bretanha

Reuters

14 de agosto de 2012 | 08h09

QUITO - O Equador provavelmente anunciará uma decisão sobre a concessão de asilo político ao fundador do WikiLeaks, Julian Assange, até o fim desta semana, um caso com implicações diplomáticas no mundo inteiro, disse o presidente Rafael Correa.

Veja também:

linkCorrea dá sinais de que protegerá Assange

linkMãe diz que Assange 'não vê a luz do dia'

forum CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

Assange se refugiou na Embaixada do Equador em Londres, na Grã-Bretanha, desde 19 de junho para evitar a extradição à Suécia, onde querem interrogá-lo sobre denúncias de crimes sexuais.

O ex-pirata da informática, que enfureceu Washington em 2010 quando seu site WikiLeaks publicou milhares de documentos diplomáticos secretos dos Estados Unidos, disse que teme ser enviado a esse país, onde acredita que sua vida correria riscos.

"É preciso revisar o processo na Suécia", disse Correa em entrevista na TV. "É preciso ver a possibilidade de extradição para os Estados Unidos, de que haja um tribunal secreto lá, de que corra o risco da pena de morte", acrescentou.

O mandatário disse: "Esperamos, o mais tardar na quarta-feira, ter a reunião (com o chanceler Ricardo Patiño) e tomara que nesta mesma semana possamos ter um pronunciamento a respeito."

Correa disse que tem simpatia por Assange, mas que também respeita o sistema legal britânico e o direito internacional. Ele afirmou que seu governo já reuniu informação suficiente para tomar uma decisão responsável.

Até o momento, os Estados Unidos nem as autoridades suecas fizeram acusações formais contra Assange. Promotores suecos querem interrogá-lo sobre acusações de violação e agressão sexual feitas por duas participantes do WikiLeaks em 2010.

Assange disse que teve relações sexuais consentidas com as mulheres que o denunciaram.

Não está claro como Assange poderia viajar ao Equador caso o asilo for concedido. Por convenção diplomática, a polícia britânica não pode entrar na embaixada sem a aprovação do Equador. Mas ele não tem uma maneira de embarcar para o Equador sem passar por Londres, se expondo à prisão.

Correa se reuniu no mês passado com a mãe de Assange, que viajou ao país andino para defender o pedido de asilo de seu filho. Patiño também esteve com o ex-juiz espanhol Baltasar Garzón, que foi apontado para dirigir a equipe legal de Assange.

 

Tudo o que sabemos sobre:
EquadorJulian AssangeasiloWikiLeaks

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.