Equador lamenta que Odebrecht prejudique relação com Brasil

Chancelaria pede que País reconsidere cancelamento de negociações para projeto de estrada entre os 2 países

Efe,

11 de outubro de 2008 | 14h48

O governo do Equador lamentou neste sábado, 11, a decisão do Brasil de suspender a visita a Quito de uma missão governamental devido aos problemas envolvendo a construtora Odebrecht. A Chancelaria equatoriana reagiu à decisão brasileira com um comunicado oficial no qual lembra que a missão que visitaria o país tinha como objetivo avançar no estudo do projeto de interconexão Manta-Manaus.   Veja também: Quito evita dar caráter diplomático à crise com Brasil   O Executivo do Equador anunciou em setembro a expulsão da Odebrecht, porém depois chegou a um acordo com a instituição, que se comprometeu a cumprir todas as exigências para evitar sua saída. No entanto, o governo equatoriano manteve ratificou a expulsão. Em resposta, o governo brasileiro resolveu suspender de forma indefinida os projetos de cooperação com o Equador e cancelou a visita a Quito de uma delegação do Ministério dos Transportes para analisar os avanços no Eixo Multimodal Manta-Manaus.   Quito "lamenta que a decisão tenha sido adotada em relação à situação entre o Estado equatoriano e uma empresa construtora privada (Odebrecht) do Brasil", diz o texto. A Odebrecht é acusada no Equador de descumprir a execução de vários contratos de obras de infra-estruturas, como a hidrelétrica de San Francisco, construída pela empresa e inaugurada em novembro de 2007, mas fora de operação desde junho passado por supostos problemas estruturais.   No comunicado, a Chancelaria lembrou que há alguns dias foi realizada em Manaus uma reunião entre o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, e os Chefes de Estado do Equador, Rafael Correa, da Venezuela, Hugo Chávez, e da Bolívia, Evo Morales, para analisar o projeto. "Este importante projeto", que unirá a cidade equatoriana de Manta a Manaus, "permitirá um maior desenvolvimento dos cinco países envolvidos e de toda a região", ressalta o texto. Por isso, insiste em que "a visita do ministro dos Transportes do Brasil se inscrevia no marco da reunião convocada para os próximos dias em Quito".   Na mesma nota, o Executivo de Correa "ratifica seu agradecimento pela disposição da Petrobras em renegociar seu contrato com o Estado equatoriano e de se alinhar à política governamental para elevar a produção de petróleo". Além disso, prevê "a continuação" das atividades da companhia petrolífera brasileira no Equador, apesar de ter ameaçado nacionalizar o campo explorado pela empresa na Amazônia. Apesar das dificuldades, "o governo nacional expressa sua vontade de continuar fortalecendo as relações bilaterais entre Equador e Brasil, estratégicas para o desenvolvimento de ambos os países e seus povos", acrescenta o texto oficial.

Tudo o que sabemos sobre:
Equador

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.