Equador protesta contra tratamento dado a Correa nos EUA

Presidente equatoriano fez uma escala no aeroporto de Miami e agentes de segurança tentaram revistá-lo

Efe,

21 de novembro de 2007 | 01h43

O governo do Equador enviou uma nota de protesto à Embaixada dos Estados Unidos em Quito, contra o "tratamento descortês" dado ao presidente Rafael Correa no dia 15 de novembro, no aeroporto de Miami, informou nesta terça-feira, 20, a Chancelaria equatoriana. Segundo um comunicado da Chancelaria, a nota foi entregue no dia 17 de novembro. Ela expressava "o mais enérgico protesto contra a falta da mais elementar cortesia com o chefe de Estado equatoriano" por parte de autoridades migratórias americanas em Miami. Segundo a Chancelaria, a Embaixada do Equador em Washington tinha informado ao Departamento de Estado dos Estados Unidos que Correa faria uma escala em Miami. As autoridades americanas, acrescenta, haviam prometido tomar as providências necessárias. A nota do Ministério das Relações Exteriores ressalta que "as normas internacionais de cortesia diplomática obrigam os países amigos a oferecer a um líder estrangeiro em seu território, ainda que seja em trânsito, as devidas atenções e facilidades". No dia 15 de novembro, autoridades de imigração do aeroporto de Miami tentaram submeter o presidente Correa, que se dirigia à Arábia Saudita, a uma revista de rotina. A embaixadora dos EUA em Quito, Linda Jewell, lamentou na segunda-feira o incidente. Mas esclareceu que as autoridades de seu país podiam não ter sido alertadas a tempo da passagem do presidente Correa.

Tudo o que sabemos sobre:
EquadorEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.