Equador sofre para atender a refugiados da Colômbia

O Equador advertiu na segunda-feira queenfrenta problemas logísticos para atender a 1.600 colombianosque entraram em seu território supostamente fugindo do conflitoem seu país, e por isso exigiu que Bogotá assuma aresponsabilidade pela maior onda de refugiados em dois anos. Os colombianos começaram a chegar na quinta-feira passada,após confrontos entre militares e forças irregulares duranteações contra o narcotráfico nas imediações da fronteira comum. O êxodo está ultrapassando a capacidade equatoriana, e porisso a chanceler María Espinosa exigiu que a Colômbiaintervenha na situação. "O Equador é humanitário e respeitoso para atender àemergência, mas isso tem um limite e deve haver correspondênciapor parte da Colômbia", disse a ministra a uma TV, afirmandoque só há mantimentos para os refugiados até quinta-feira. Com um discurso ambíguo, a Colômbia insiste que seuscidadãos, abrigados na localidade litorânea de San Lorenzo,cerca de 170 quilômetros a nordeste de Quito, têm garantiaspara regressar. Quito pediu formalmente ajuda humanitária a Bogotá paraatender aos refugiados, que exigem ajuda do seu governo. Atéagora, segundo Espinosa, a Colômbia não se manifestou. Equador e Colômbia têm uma fronteira comum com cerca de 600quilômetros, que se tornou um corredor estratégico para otráfico de armas, drogas e munições para grupos colombianos,segundo os EUA.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.