Equador vai propor censura à imprensa no Parlamento

Presidente Rafael Correa tem enfrentado atritos com a mídia local e pode espelhar-se em Hugo Chávez

Reuters,

11 de setembro de 2009 | 14h52

O governo do Equador vai propor um projeto de lei para regulamentar os conteúdos publicados pela mídia, após uma série de desentendimentos entre o presidente Rafael Correa e a imprensa, segundo publicou nesta sexta-feira, 11, o jornal El Comercio.

 

Veja também:

linkGoverno Kirchner tenta se desvincular de ação contra Clarín

linkVice de Cristina fala de 'ação intimidatória' contra o Clarín

linkCristina aperta o cerco e envia fiscais à redação do Clarín

linkVice de Cristina fala de 'ação intimidatória' contra o Clarín

linkAmeaças à liberdade de expressão espalham-se pela AL

linkAção contra Clarín leva tensão a jornalistas do grupo

linkKirchners tentam aprovar lei com restrições à mídia

linkApenas cinco de cada cem argentinos votariam em Kirchner

 

Previsto para ser apresentado ao Congresso até segunda-feira, o projeto de lei foi idealizado pelo deputado Rolando Panchana, ex-repórter de televisão que é aliado estreito do presidente. Segundo o deputado, as opiniões de colunistas e jornalistas serão regulamentadas, além de "todos os que praticam a comunicação de massas."

 

No mês passado Rafael Correa pediu o fechamento de uma emissora de TV nacional que faz críticas frequentes a ele e pôs no ar uma gravação feita dele, sem sua autorização.

 

O presidente diz que alguns órgãos da mídia privada conspiram contra seu governo. Suas ações podem espelhar as do líder venezuelano esquerdista Hugo Chávez, que se negou a renovar a licença de uma emissora há dois anos e ameaçou fechar outro canal de TV contrário ao governo.

 

Aliados de esquerda na Bolívia e Nicarágua também vêm entrando em choque com a mídia, que acusam de proteger os interesses das elites ricas que se opõem a seus programas para a população pobre.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.