Equatoriana é identificada como vítima de chacina de 72 imigrantes no México

Grupo foi assassinado pelo crime organizado quando tentava ingressar nos EUA no fim de agosto

Efe,

11 de novembro de 2010 | 19h25

QUITO- Os peritos identificaram uma mulher como a segunda vítima equatoriana da chacina de 72 imigrantes perpetrada no fim de agosto em Tamaulipas, estado do norte do México, segundo informou hoje a Secretaria Nacional do Migrante (Senami).

 

O subsecretário nacional do Migrante, Juan Pedro Peralta, disse à Ecuador TV que os testes de DNA chegaram hoje ao Equador e revelaram que Elvia Paz Ochoa, da província de Tungurahua, era uma entre os assassinados que estavam a caminho dos Estados Unidos.

 

Uma fonte da secretaria disse à Efe que o governo está a espera de que as autoridades mexicanas autorizem a repatriação do corpo. Os restos mortais de outro equatoriano morto no massacre, Telmo Yupa, de 17 anos, foram repatriados em 23 de outubro.

 

Em 23 de agosto as autoridades americanas encontraram em um rancho da cidade de San Fernando os cadáveres de 72 imigrantes, graças às informações dadas pelo equatoriano Luis Freddy Lala Pomavilla, sobrevivente da chacina.

 

Ele apontou o cartel Los Zetas como o autor do massacre e foi repatriado ao Equador, onde recebe o apoio do programa de proteção de vítimas e testemunhas.

 

Quatro brasileiros morreram na chacina: são eles os paraenses Edilsimar Júnior Faustino da Silva, de 23 anos, Natane Amaral da Silva, namorada de Edisilmar, e os mineiros Hermínio Cardoso dos Santos, de 24 anos, e Juliard Aires Fernandes, de 20.

 

Também foram assassinados hondurenhos, salvadorenhos e guatemaltecos que pretendiam ingressar ilegalmente nos Estados Unidos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.