Equipe de Chávez expande domínio nas redes sociais via Twitter

O eloquente presidente venezuelano, Hugo Chávez, está se oferecendo para enviar tweets aos celulares dos seus partidários, uma vez que o presidente socialista combate uma vigorosa campanha da oposição no país apaixonado pelo Twitter antes da eleição em 7 de outubro.

DANIEL WALLIS, Reuters

14 de julho de 2012 | 16h26

Chávez já fez três cirurgias contra um câncer em um ano e sua saúde delicada significa que ele não conseguiu viajar tanto quanto o seu rival mais jovem, Henrique Capriles.

Em vez disso, ele tem que se concentrar em fazer aparições regulares nas TVs estatais --geralmente durante várias horas, quase todos os dias --e falar através de sua conta no Twitter, @chavezcandanga, que tem cerca de 3,2 milhões de seguidores.

A persona online do presidente é uma parte importante da estratégia da sua equipe em uma batalha eleitoral que está mostrando ser a mais difícil da sua vida política.

Estimulado por uma explosão da popularidade do Twitter na Venezuela, e irritado com o que ele disse que seria a dominação da mídia eletrônica local pela oposição, Chavez começou a twittar no inicio de 2010.

Sua conta superou rapidamente uma da Globovisión, a principal estação de TV da oposição, e logo ele disse que tinha precisado contratar 200 pessoas para ajudá-lo a ler e responder o que ele chamou de "avalanche" de mensagens dos seguidores, pedidos de ajuda e reclamações sobre serviços ruins e corrupção.

Encantado com o seu sucesso cibernético, ele até encorajou o cubano Fidel Castro e o boliviano Evo Morales a começarem a twittar também.

Embora Chávez, de 57 anos, diga que está completamente curado do câncer, sua recuperação significa que ele teve que apenas observar enquanto Capriles, um ex-governador de 40 anos, passou meses atravessando o país batendo de "porta em porta".

A maioria das pesquisas continua a dar a Chávez uma vantagem de dois dígitos, e na sexta-feira ele lançou uma série de eventos de campanha descrevendo a sua recuperação como um "milagre" e tentando aproveitar os profundos laços emocionais que até mesmo os seus mais ferozes críticos admitem que ele compartilha com a maioria dos pobres da Venezuela.

O serviço de SMS foi apresentado na noite de sexta-feira e visa a atingir os muitos venezuelanos que não têm fácil acesso à Internet e que gostariam de receber tweets do "el comandante", via mensagens SMS.

"A iniciativa vai também deixar que as pessoas sem contas de Twitter recebam as mensagem", disse a agência estatal de notícias AVN.

Os partidários que se inscreverem no site www.chavezcandanga,org.ve podem receber seus tweets em tempo real ou evitar serem acordados ao escolher apenas os posts que ele enviar entre as 7h e 22h.

Mais conteúdo sobre:
VENEZUELACHAVEZTWITTER*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.