Divulgação/Xinhua/AP
Divulgação/Xinhua/AP

Equipes internacionais de resgate começam a chegar ao Haiti

EUA, Europa, China e países da América Latina enviam especialistas e cães farejadores para buscar vítimas

estadao.com.br,

14 de janeiro de 2010 | 11h52

Equipes de resgate dos EUA, Europa, China e de países América Latina estão chegando ao Haiti nesta quinta-feira, 14, para ajudar na busca por sobreviventes do terremoto da última terça, que afetou 3 milhões de pessoas e pode ter matado ao menos 30 mil. Muitas vítimas ainda estão presas sob os escombros do tremor, que arrasou Porto Príncipe, a capital do país.

 

Veja também:

link Ajuda humanitária começa a chegar ao Haiti

linkHaitianos passam noite nas ruas entre corpos

linkBrasil e EUA pedirão mais doações em reunião

linkNúmero de militares mortos chega a 14

Militares brasileiros da Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti (Minustah) começaram a trabalhar nas ruas de Porto Príncipe. Equipes dos EUA, Reino Unido, Canadá, México, China, Venezuela estão a caminho com cães farejadores e especialistas.

De acordo com o comandante militar da Missão, o general brasileiro Floriano Peixoto Vieira, os militares brasileiros ainda não conseguiram chegar às vítimas.

VEJA TAMBÉM:
\"especial\" Tragédia e destruição no Haiti
\"especial\" Os piores terremotos na América Latina
\"especial\" Os piores terremotos da década
blog Blog: repercussão em tempo real
blog População do Haiti se comunica com mundo via Web
\"som\" Representante da OEA fala do tremor
\"mais A tragédia em imagens
\"lista\" Leia tudo que já foi publicado

 

"Nosso primeiro trabalho foi usar a engenharia para desobstruir as principais vias da cidade. Mas ainda não conseguimos chegar para ajudar. Não temos condição de avaliar o número de mortos. Sabemos que é uma quantidade muito elevada", disse o comandante.

O ministro da Defesa, Nelson Jobim, chegou ontem ao país para coordenar a ajuda brasileira às vítimas do terremoto. Após ouvir o relato de comandantes militares brasileiros, Jobim disse que a intenção do governo brasileiro é montar hospitais de campanha para atender os feridos. De acordo com o ministro, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva recomendou a montagem dos hospitais.

O presidente dos EUA, Barack Obama, anunciou nesta quinta-feira, 14, o envio de 3,5 mil soldados ao Haiti, para ajudar no resgate. Obama enfatizou que o comando militar americano ficará em contato com o brasileiro, com o objetivo de coordenar a ajuda. Os EUA também liberaram US$ 100 milhões para os esforços de reonstrução do país.

 

Ainda não há sinais de operações organizadas de resgate no Haiti. Os três hospitais principais da capital foram destruídos no tremor. 

A  Organização Mundial de Saúde (OMS) anunciou que deve coordenar junto com a ONU e o governo do Haiti o tratamento dos feridos e de doentes após o tremor. A OMS teme que surtos de diarreia e doenças respiratórias possam acontecer nos próximos dias. A falta de água no país também preocupa.

As vítimas do terremoto dormiram nas ruas d e Porto Príncipe com medo de novos tremores. Um homem gritou a repórteres: "Muitas pessoas estão morrendo. Precisamos de ajuda internacional. Não há comida, não há telefone, água... Nada".

Com informações da Reuters, Associated Press e Agência  Brasil

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.