Especialistas da Nasa chegam ao Chile para assessorar resgate de mineiros

Perfuração do solo teve início na noite da segunda; operação deve durar até quatro meses

Efe

31 de agosto de 2010 | 12h01

SANTIAGO - Quatro especialistas da Nasa, a agência espacial dos EUA, chegaram nesta terça-feira, 31, ao Chile para assessorar as autoridades locais no resgate e no tratamento dos 33 mineiros que estão presos desde 5 de agosto em uma mina a 700 metros da superfície no norte do país.

 

Veja também:

linkRisco de doenças é a maior ameaça

linkContato com o exterior ameniza estresse

video Assista ao vídeo enviado pelos mineiros chilenos

especial Especial: Os piores acidentes em minas da década

 

Os especialistas, que se reunirão ainda na terça com o ministro da Saúde, Jaime Mañalich, são James Michael Duncan, subchefe médico da Nasa; Albert W. Holland, psicólogo de Operações de Saúde de Conduta; J. D. Polk, chefe da divisão de Medicina Espacial; e Clint Cragg, do Centro de Engenharia e Segurança.

 

A Nasa se ofereceu para colaborar com as autoridades chilenas por sua experiência no tratamento de pessoas que devem permanecer longos períodos em ambientes hostis e em condições de isolamento.

 

As operações da escavadeira que vai perfurar o solo para retirar os mineiros foram iniciadas na noite da segunda. Segundo as autoridades, o resgate levará de três a quatro meses.

 

Engenheiros envolvidos no resgate disseram que os 33 mineiros, que ficaram presos numa rede de 2 km de túneis depois de um desmoronamento de terra, terão de trabalhar em turnos de 24 horas para ajudar a remover até 4 toneladas de pedras que cairão no interior do abrigo enquanto a sonda abre caminho. Os mineiros só poderão usar ferramentas básicas, como carrinhos de mão e vassouras industriais movidas a bateria.

 

O estado de saúde do grupo é considerado bom. Eles continuam recebendo suprimentos regulares de medicamentos, alimentos e líquidos por meio de três sondas de 8 centímetros de diâmetro.

 

 

Tudo o que sabemos sobre:
ChilemineirosperfuraçãoNasa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.