Estudante joga água no rosto da ministra da Educação no Chile

Uma adolescente chilena não encontroumelhor forma de protestar contra o sistema educacional de seupaís do que jogar água no rosto da ministra da pasta em meio aum evento público. A atitude foi condenada imediatamente pelogoverno. Nos últimos meses, professores e estudantes intensificaramos protestos nas ruas contra uma iniciativa legal do governo,que quer melhorar as leis vigentes afirmando que elas nãofortalecem a educação pública e gratuita, diante das escolasprivadas. "Queria expressar como governo a mais enérgica rejeição àatitude que um grupo de alunos teve com a ministra da Educação,que foi um ato de violência e que não corresponde ao país",disse a jornalistas o ministro porta-voz do governo, FranciscoVidal. "Dessa maneira não melhoramos nem um milímetro a educaçãono Chile, assim, do ponto de vista do governo, expresso orepúdio mais contundente a essa atitude e obviamente o respaldoque merece a ministra da Educação", acrescentou. Estudantes e professores enfrentaram, algumas vezesviolentamente, a polícia nos protestos de rua. E, para acalmaros ânimos do setor, o governo decidiu promover mesas de diálogocom seus representantes. Em uma destas jornadas, aconteceu o incidente com aministra Mônica Jiménez. Uma estudante de 14 anos pegou a jarrada mesa que estava a ministra e jogou a água em seu rosto. "A agressão é uma reação à impossibilidade de ter palavraspara dialogar, à falta de argumentos; quando há argumentos sedialoga", disse a ministra. Jiménez espera um pedido público de desculpas não só daparte da estudante, como também do Colégio de Professores, queesteve por trás de várias mobilizações contra o projeto de lei. (Reportagem de Mónica Vargas)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.