Estudantes e professores voltam a protestar no Chile

Estudantes chilenos entraram emconfronto com policiais na quarta-feira, em Santiago, durantemais um ato de protesto contra um projeto de lei polêmico naárea de educação, que também levou milhares de professores àsruas na cidade de Valparaíso, sede do Congresso. Estudantes universitários e de ensino médio fizeram umapasseata e foram dispersados pela polícia com jatos d'água ebombas de gás lacrimogêneo. Até o início da tarde, 106 estudantes haviam sido detidosna manifestação contra a polêmica lei de educação, sob alegaçãode que não ajuda a melhorar a questionada qualidade do ensinopúblico no país e amplia as diferenças entre ricos e pobres. Em Valparaíso, a 120 quilômetros da capital, cerca de10.000 professores fizeram uma passeata até o Congresso, onde oprojeto de lei está sendo debatido por deputados. "A qualidade da educação pública é muito ruim, por isso nãose pode competir com os poderosos neste país", disse ajornalistas Jaime Gajardo, presidente de uma entidade que reúneprofessores no país. Segundo lideranças estudantis e de professores, o setor nãoprogride, apesar de o país registrar um superávit fiscalrecorde. O projeto de lei, que busca melhorar a qualidade daeducação, não agradou professores nem estudantes. A iniciativa busca modificar uma legislação prévia, a LeiOrgânica Constitucional de Ensino (LOCE), criada um dia antesdo fim da ditadura do general Augusto Pinochet (1973-1990). (Reportagem de Rodrigo Martínez)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.