EUA admitem conhecer plano para libertar reféns das Farc

Casa Branca afirma que coordena ações desde que americanos foram seqüestrados na Colômbia, há 5 anos

Agências internacionais,

03 de julho de 2008 | 13h02

Os Estados Unidos sabiam dos planos colombianos para libertar Ingrid Betancourt e outros 14 reféns das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), segundo informou nesta quinta-feira, 3, a porta-voz do governo Dana Perino. Contudo, a Casa Branca declarou que o governo colombiano não necessitava de um "sinal verde" de seu aliado americano para realizar a operação.   Veja também: Ingrid pede liga de países para libertar reféns Após 6 anos, Ingrid reencontra os filhos em Bogotá Uribe quer libertação de reféns para negociar  Chávez reitera apelo para que Farc deponham armas Ingrid Betancourt chega à França nesta sexta Americanos que estavam em poder das Farc chegam aos EUA Ouça o relato de Ingrid Betancourt (em espanhol) Para ex-líderes colombianos, negociar é única saída para Farc Quem são os ex-reféns libertados pela Colômbia O drama de Ingrid Por dentro das Farc  Histórico dos conflitos armados na região    Cronologia do seqüestro de Ingrid Betancourt Leia tudo o que foi publicado sobre o caso Ingrid Betancourt O seqüestro de Ingrid Betancourt    "Nós estávamos informados desde as fases de planificação, mas foi uma operação concebida pelos colombianos e executada por eles com nosso completo apoio", declarou a Casa Branca. A porta-voz afirmou ainda que desde que os três americanos foram seqüestrados pelo grupo, há cinco anos, Washington coordena ações com Bogotá "para libertá-los, porém a ação deveria ser feita de modo que a segurança das pessoas fosse garantida e dispondo de uma inteligência operacional para resgatá-los a salvo". Os EUA afirmaram ainda que a ação foi planejada por um longo tempo.   O subsecretário de Estado americano para a América Latina, Thomas Shannon, confirmou que seu país continuará apoiando o governo de Uribe, porque ainda "há muito trabalho a fazer não só em termos das Farc, mas em construir uma economia que realmente possa dar prosperidade a todos os colombianos".   Shannon disse que é um dever de todos os Estados da região apoiar a política de segurança do presidente Álvaro Uribe e exigiu que a guerrilha liberte os outros reféns. O subsecretário afirmou que "a política de segurança está funcionando" e que "é um dever de todos os Estados na região apoiar a segurança de um Estado democrático como a Colômbia".   "É nossa esperança que, com este golpe, os países reconheçam que o governo do presidente Uribe deve ser apoiado nesta luta contra as Farc", disse. Além disso, Shannon exigiu que as Farc libertem todos os seqüestrados que ainda têm em seu poder, se comprometer à reintegração à sociedade e "buscar uma via pacífica de terminar este tipo de luta".   O subsecretário elogiou o trabalho das Forças Militares colombianas por seu "valor e coragem". A maneira em que militares foram infiltrados entre os rebeldes indica que estão "confiantes, e a capacidade de entrar e manipular as Farc nesta operação é de um impacto enorme para a Colômbia", disse.

Tudo o que sabemos sobre:
Ingrid BetancourtColômbiaEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.