Jim Young/Reuters
Jim Young/Reuters

EUA alertam Venezuela e Bolívia para proximidade com o Irã

Hillary pede que 'bolivarianos' mantenham-se no caminho da democracia e defende eleição em Honduras

estadao.com.br,

11 de dezembro de 2009 | 14h17

No lançamento da nova estratégia diplomática para a América Latina, a secretária de Estado americana, Hillary Clinton, advertiu os países da região sobre a influência iraniana e fez um chamado ao respeito pelas instituições democráticas em países como a Venezuela e a Nicarágua.

 

Veja também:

Bolívia ironiza alerta dos EUA à América Latina sobre o Irã

 

"As pessoas que querem se aproximar do Irã deveriam pensar em quais as consequências disso. Esperamos que pensem duas vezes", disse Hillary em um discurso sobre as relações entre EUA e América Latina nesta sexta-feira, 11.

 

Segundo a secretária de Estado, os EUA estão cientes dos interesses iranianos em se promover na região. "Relacionar-se com o Irã é uma má ideia", afirmou. "Espero que os países latino-americanos reconheçam que o Irã é um dos maiores promotores e exportadores do terrorismo nos dias atuais".

 

O Irã tem se aproximado de países como Bolívia, Venezuela e Nicarágua. No mês passado, o presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad esteve na região para uma visita a Brasil, Bolívia e Venezuela.

 

Democracia

 

Hillary ainda fez um firme pedido para que Venezuela e Nicarágua mantenham-se no caminho da democracia. Segundo a secretária de Estado, países cujo líderes eleitos legitimamente não podem maltratar a ordem constitucional e democrática, o setor privado e os direitos do povo.

 

"A democracia não se trata de líderes individuais, mas de instituições fortes", disse.

 

No começo do ano, o presidente venezuelano, Hugo Chávez, conseguiu aprovar um referendo que o permite se candidatar sucessivamente à presidência. Na Bolívia, Evo Morales foi reeleito na semana passada após uma reforma constitucional que permite apenas uma reeleição.

 

Honduras

 

Hillary defendeu a reação dos EUA ao golpe de Estado em Honduras. De acordo com ela, o país buscou uma abordagem multilateral, honesta e pragmática para restaurar a democracia.

 

Países latino-americanos como Brasil e Argentina divergiram da postura americana em apoiar as eleições em Honduras mesmo sem o retorno do presidente Manuel Zelaya ao poder.

 

China

 

Sobre a influência comercial chinesa na região, Hillary alertou para riscos de corrupção. "Não temos problema com nenhum país que desenvolva atividades comerciais com outra nação. Mas não queremos que a corrupção beneficie a fortuna de poucos e destrua o meio ambiente, a economia sustentável e os recursos naturais de qualquer país", afirmou.

 

Cuba

 

A secretária de Estado ainda apostou no fim da ditadura castrista em Cuba. "Esperamos que em um futuro não muito distante ver uma Cuba democrática. Seria fantástico para o nosso hemisfério", disse.

 

Com informações da Efe e da Reuters

Tudo o que sabemos sobre:
IrãAmérica LatinaEUAHillary

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.