EUA autorizam envio de US$ 30 milhões em ajuda militar à Colômbia

Valor para combater guerrilhas e narcotraficantes estava condicionado a melhora nos direitos humanos

AP,

15 de setembro de 2010 | 23h25

WASHINGTON- Após destacar a melhora a respeito dos direitos humanos na Colômbia, o presidente Barack Obama autorizou nesta quarta-feira, 15, o envio de mais de US$ 30 milhões em ajuda aos militares do país para combater guerrilhas e narcotraficantes.

 

Veja também:

linkJustiça da Colômbia acusa 29 militares por 2 execuções

linkFarc e ELN formalizam acordo de trégua

 

O governo americano destacou que a Colômbia tem combatido o que era um crescente número de execuções extrajudiciais e deu outros passos para demonstrar sua seriedade na proteção aos direitos humanos, o que permite que os EUA enviem o valor às Forças Armadas colombianas, retidos até então.

 

Autoridades americanas informaram que o dinheiro apoiará os programas militares por ar, terra e mar, assim como treinamento das forças de paz e a entrega de equipes.

 

O Departamento de Estado afirmou que ainda há falhas relacionadas principalmente com a impunidade de algumas pessoas que atentaram contra os direitos humanos, as ameaças contra alguns ativistas e o uso de escutas telefônicas ilegais. Apesar disso, destacou avanços visíveis.

 

"Apesar de continuar havendo necessidade de melhora, o governo colombiano deu passos positivos para melhorar o respeito aos direitos humanos no país", afirmou o departamento em um comunicado. "A instrução firme dada pelo governo no sentido de que não se tolerarão as execuções extrajudiciais levou a reverter rapidamente uma tendência preocupante", acrescentou o texto.

 

Um funcionário do Departamento de Estado acrescentou que o novo presidente colombiano, Juan Manuel Santos, se envolveu com grupos defensores dos direitos sindicais e da sociedade civil para buscar uma melhoria da situação.

 

A Procuradoria colombiana investiga cerca de 1.100 soldados pela suposta execução extrajudicial de mais de 2.400 civis, a grande maioria durante a gestão do ex-presidente Álvaro Uribe, que governou o país de 2002 a 2010.

 

A Colômbia já recebeu mais de US$ 6 bilhões em ajuda militar e de outros tipos procedente dos EUA desde 2000 sob os termos do Plano Colômbia, uma iniciativa para apoiar o país em sua luta contra as guerrilhas e o narcotráfico.

 

Parte dessa ajuda está condicionada a certificação de que a Colômbia cumpre certos critérios a respeito dos direitos humanos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.