EUA colocam Bolívia em lista negra de combate às drogas

País é citado junto com Venezuela e Mianmar; auxílios considerados vitais por Washington serão mantidos

AP e Efe,

16 de setembro de 2008 | 20h01

O presidente americano George W. Bush acusou nesta terça-feira, 16, a Bolívia de não cooperar mais na luta contra as drogas e colocou o país sul-americano em uma lista negra do combate aos narcóticos, informou a Casa Branca. Oficiais disseram que a Bolívia, terceiro maior produtor mundial de cocaína, se juntará a Venezuela e Mianmar na lista americana de nações que falharam em seu comprometimento internacional de combate à produção e tráfico de drogas ilícitas.   Na segunda-feira, o governo boliviano havia anunciado que financiará com US$ 16 milhões e pedirá ajuda de helicópteros da Rússia para a luta contra o narcotráfico se os EUA suspenderem a assistência que fornecem ao país, afirmou o vice-ministro da Defesa Social, Felipe Cáceres, que revelou que a embaixada de Moscou em La Paz já manifestou seu desejo em cooperar.   No entanto, a Casa Branca informou que Washington decidiu manter os auxílios considerados "vitais". O governo determina que "o apoio a programa para ajudar as instituições democráticas da Venezuela e o respaldo contínuo à programas bilaterais na Bolívia são vitais para o interesse nacional dos EUA", continuou.   A ajuda americana para o combate ao narcotráfico na Bolívia diminuiu nos últimos anos, e atualmente alcança US$ 26 milhões, de acordo com o vice-ministro. Ainda assim, Cáceres ressaltou que o governo boliviano buscava uma renegociação do programa anti drogas financiado pelos EUA. "Temos vontade de fazer uma renegociação sob novos parâmetros", continuou.

Tudo o que sabemos sobre:
BolíviaEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.