EUA descartam sabotagem em acidente que matou ministro mexicano

Investigadores norte-americanos não descobriram nenhuma evidência de sabotagem ou atividade criminal que possa ter causado o acidente com o jato do governo mexicano na última terça-feira, matando o ministro do Interior do México, informou na quarta-feira a embaixada dos Estados Unidos em comunicado. "Até hoje, nenhum registro na caixa-preta, na gravação das conversas ou outra prova recuperada no local do acidente indicam sabotagem ou atividade criminal", disse em comunicado o embaixador dos EUA, Antonio Garza. Logo após o acidente, o México convidou as equipes norte-americanas e britânicas para participarem das investigações. Na última semana, autoridades mexicanas disseram que não havia indícios de que uma bomba teria causado o acidente. O governo mexicano tem considerado um desafio ignorar especulações de que uma golpe causou o acidente que matou Juan Camilo Mouriño, braço direito do presidente mexicano, Felipe Calderón, e o principal assessor da Presidência na guerra entre México e violentos cartéis do narcotráfico. A história de crimes políticos no México e a guerra do narcotráfico alimentam especulações de que uma jogada suja teria causado o acidente. Todas as nove pessoas à bordo do Learjet e outras cinco que estavam no local do acidente morreram. O Conselho Nacional de Segurança do Transporte deve dar um retorno aos Estados Unidos nesta quinta-feira com os primeiros dados da investigação, que agora estão completos, disse Garza. (Reportagem de Robert Campbell)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.