EUA distribuem água e tentam colocar porto em funcionamento

Soldados distribuem água e refeições para sobreviventes; país precisa de combustível para abastecer veículos

estadao.com.br,

17 de janeiro de 2010 | 15h30

Soldado americano entrega água para menino haitiano: Foto: Jay C. Hong/AP

PORTO PRÍNCIPE - Helicópteros dos Estados Unidos começaram neste domingo a lançar garrafas d'água para os sobreviventes na capital do Haiti, Porto Príncipe, enquanto em terra soldados evitam que a distribuição desencadeie violência. Os militares americanos ainda planejam colocar o porto local em funcionamento para receber combustível de fora do Haiti.

A tragédia haitiana:

linkONG reclama de congestionamento no aeroporto

linkHaiti já tem 60% de áreas afetadas por tremor vasculhadas

linkSaques e gangues ameaçam distribuição de ajuda humanitária

Depois de dias resistindo sem provisões básicas, a população começa a receber a ajuda humanitária, embora muitos haitianos não tenham sido contemplados.

VEJA TAMBÉM:
video Assista a análises da tragédia
mais imagens As imagens do desastre
blog Blog: Gustavo Chacra, de Porto Príncipe
especialEntenda o terremoto
especialInfográfico: tragédia e destruição
especialCronologia: morte no caminho da ONU
lista Leia tudo que já foi publicado

Os Estados Unidos firmaram a sua primeira base fora do aeroporto da capital, e estão distribuindo víveres de um morro dentro de um campo de golfe.

Já o programa de Alimentação das Nações Unidas distribuiu comida em uma das favelas da cidade, enquanto a organização não-governamental Oxfam também entregou água aos flagelados haitianos.

Portos

Os EUA tentarão colocar em funcionamento o quanto antes os portos do Haiti, destruídos pelo terremoto, para armazenar combustível, disse o general Ken Keen. "Um almirante se encarregará de estudar os portos e reabri-los", disse.

Segundo o general, há vários problemas críticos em Porto Príncipe e a falta de combustível é um deles. O Exército americano já conseguiu distribuir 70 mil garrafas d'água e 130 mil refeições. Mil soldados americanos estão trabalhando em Porto Príncipe e 3,6 mil estão na costa, no porta-aviões Carl Vinson.

Com informações da BBC Brasil e da Efe

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.