EUA esperam que cubanos se tornem líderes de suas vidas

Condoleezza Rice diz que o povo cubano merece solidariedade e apoio de outros países

Associated Press ,

24 de fevereiro de 2008 | 16h15

Cuba sem Fidel Castro como presidente deverá se deslocar em direção "pacífica, a mudança democrática" e permitir aos cubanos a chance de se tornarem "comandantes de suas próprias vidas", declarou a administração do presidente americano George W. Bush, neste domingo, 24.   "O povo cubano, de frente para o legado de décadas de tirania, merece a nossa solidariedade e apoio conforme eles procuram construir um futuro mais brilhante", declarou a Secretária de Estado Condoleezza Rice, antes de os deputados da Assembléia Nacional cubana escolheram um novo chefe de Estado para pela primeira vez em quase meio século.   Doente e com 81 anos, Fidel Castro informou na semana passada que ele não aceitaria outro mandato como presidente.   "Nós pedimos ao governo cubano para iniciar um processo de paz, mudança democrática para libertar todos os prisioneiros políticos, respeitando os direitos humanos e a criação de um caminho claro em direção a eleições livres e justas", disse Rice em uma declaração emitida em Washington, enquanto ela viaja à Ásia. A secretária disse ainda que outros países deverão ajudar o povo cubano com a transição para a democracia.   O irmão de Castro, Raul, de 76 anos, primeiro nome em uma lista de 31 candidatos ao conselho de estado cubano, é o novo presidente de Cuba. O Castro mais novo liderou Cuba provisoriamente desde o fim de julho de 2006 - quando Fidel anunciou seu afastamento do poder para tratar uma grave doença no intestino.     "Neste momento significativo na história de Cuba, reafirmamos nossa convicção de que o povo cubano tem um direito inalienável à participar em um diálogo aberto e compreensível sobre o futuro do seu país, livre do medo e da repressão, e de escolher os seus líderes em eleições democráticas" disse Rice.   "Nós apoiamos os seus esforços para obter uma voz em seu destino nacional e seu desejo de ter acesso aos recursos e oportunidades necessárias para se tornarem mestres de suas próprias vidas, melhorar o bem-estar das suas famílias e atingir os seus potenciais dado por Deus", informa a declaração.   O senador democrata eleito pelo Estado de Delaware, Joe Biden, que sugeriu a criação de um serviço de correio e o relaxamento nas restrições de viagem para visitas a familiares em Cuba, disse que os Estados Unidos "devem ser preparar (para) que a transição vai ser aparente". Ele não é a favor da suspensão do embargo comercial de cinco décadas "até que haja uma resposta aos presos políticos, e todas as coisas que estão erradas com esta administração Castro".   O senador republicano Kay Bailey Hutchison, eleito pelo Texas, levantou a possibilidade de conversações com Raul Castro. "Se pudemos mudar os chefes sunitas no Iraque, alguns dos quais apoiaram os insurgentes contra nós, talvez falando com alguém que parece ser um inimigo pesado e que não atrapalha em nada, poderia ajudar", afirmou.

Tudo o que sabemos sobre:
EUACubaeleiçõesFidel

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.