EUA incentivam imigração ilegal, denuncia diplomata cubano

Um diplomata cubano de alto escalãoacusou os Estados Unidos nesta quarta-feira de violar o acordomigratório entre os dois países para estimular a saída ilegalde pessoas da ilha. O chefe da Seção de Interesses de Cuba em Washington,Dagoberto Rodríguez, rebateu declarações das autoridadesnorte-americanas de que a representação dos EUA não tem pessoalnem material em Havana para processar os 20 mil vistosacertados entre os dois países, que travam uma guerraideológica há décadas. "Rechaçamos categoricamente essa acusação. As autoridadesnorte-americanas mentem deliberadamente", disse Rodríguez ementrevista coletiva. "Todos os vistos para o corpo diplomáticoencarregado de implementar os acordos migratórios foramconcedidos por Cuba nos termos estabelecidos", afirmou. Segundo Rodríguez, a denúncia de falta de materiais é"falsa", porque a missão diplomática norte-americana importou80,3 toneladas em provisões em 2006. O diplomata afirmou que os EUA querem desestabilizar ailha, usando essas provisões em atividades "subversivas," comoo financiamento da oposição com equipamentos de fax, rádios e,segundo outros líderes cubanos, até dinheiro em espécie. O acordo assinado em 1994 para conter o êxodo de"balseiros" estabelece que os EUA concederiam 20 mil vistosanuais, enquanto Cuba controlaria as saídas ilegais em troca. Durante o ano fiscal que termina no dia 30 de setembro nosEUA, apenas 10.724 vistos foram processados, disse o ministro. Rodríguez afirmou que Cuba continuará fazendo o "máximoesforço" para evitar a imigração ilegal, mas disse que apolítica norte-americana estimula o êxodo, com leis quepermitem a qualquer cubano permanecer no país, assim quecolocar os pés em terra firme. Ele confirmou que o fluxo de imigrantes ilegais para os EUAaumentou neste verão (no hemisfério norte), seja pelo estreitoda Flórida como pela fronteira terrestre com o México, rotacada vez mais usada por cubanos. (Por Adriana Garcia)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.