EUA não têm razão para 'otimismo' sobre Cuba, diz Gutiérrez

Os Estados Unidos não têm razão parasentir "otimismo" pelas mudanças em Cuba após Raúl Castroassumir a Presidência da ilha caribenha, informou no domingouma autoridade norte-americana de alto escalão. Raúl Castro foi apontado pelo Parlamento como sucessor deseu irmão Fidel, 81 anos, que renunciou nesta semana depois dequase meio século no poder. Para Washington, a mudançasignifica a continuação de um regime repressor. "Se olhar para a natureza das pessoas no poder, esta é avelha guarda, é a linha dura e não há nenhuma razão para sentirotimismo por um povo cubano com base nesta notícia", disse àReuters o secretário de Comércio Carlos Gutiérrez, umnorte-americano de origem cubana.Gutiérrez preside junto com a secretária de Estadonorte-americana, Condoleezza Rice, uma comissão criada pelopresidente George W. Bush para forçar uma mudança de governo nailha. A autoridade disse que os EUA esperam ver "ação" por partedo novo governo, mas reiterou que o embargo econômico a Cuba --que dura quase cinco décadas -- não deve mudar com Raúl nopoder. "O presidente (Bush) foi muito claro. Nossa política nãomudou", disse o secretário. Os EUA só irão modificar a política atual se o governo deCuba libertar presos políticos e começar uma série de reformasdemocráticas para dar mais liberdade à população, comoliberdade de imprensa e de religião, disse Gutiérrez. "Queremos que o povo cubano viva com esperança, não commedo", disse. (Por Adriana Garcia)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.