EUA oferecem recompensa milionária por chefes de guerrilha peruana

Florindo Flores e Victor Palomino, do Sendero Luminoso, controlam maior cinturão cocaleiro do mundo

Reuters,

12 de julho de 2010 | 18h02

LIMA- O governo dos estados Unidos oferece uma recompensa de US$ cinco milhões para informações que ajudem a capturar dois líderes da guerrilha peruana Sendero Luminoso, que mantém vínculos com o narcotráfico, disse nesta segunda-feira, 12, um porta-voz da Embaixada americana em Lima.

 

A recompensa milionária, oferecida no marco de um programa antidrogas dos EUA, será concedida a quem der informações sobre Florindo Flores, conhecido como "Artêmio", e Victor Quispe Palomino, conhecido como "José".

 

Artêmio e José controlam as regiões remotas do Huallaga e do Vale do Rio Apurimac e Ene (VRAE), respectivamente, na floresta do Peru, onde se encontram os maiores centros de produção de cocaína e cultivos de folha de coca.

 

A decisão do Departamento de Estado americano de incluir os dois guerrilheiros em seu Programa de Recompensa Antinarcóticos ocorre dias depois que a ONU informou que o Peru superou a Colômbia com o maior produtor mundial de folha de coca, matéria base para a cocaína.

 

A recompensa é muito superior à oferecida pelo presidente do Peru, Alan Garcia, em novembro passado, que prometeu dar um milhão de soles (cerca de US$ 354 mil) por informações que ajudem a prender Artêmio e José.

 

Durante seu apogeu nas décadas de 80 e 90, o Sendero Luminoso impunha uma ideologia maoista e tentava instaurar um Estado comunista no Peru. Após a prisão de seu fundador e líder, Abimael Guzman, em 1992, a facção remanescente do grupo se converteu em aliada do narcotráfico.

 

O governo do presidente Garcia qualifica Artêmio e José como "narcoterroristas". Em sua administração, as forças de segurança têm buscado retomar o controla das regiões do VRAE, considerado como maior cinturão cocaleiro do mundo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.