EUA pedem extradição do ex-presidente de Honduras, acusado de tráfico de drogas

EUA pedem extradição do ex-presidente de Honduras, acusado de tráfico de drogas

Forças de segurança estão rodeando a casa de Juan Orlando Hernández desde a noite de segunda-feira, 14

Redação, O Estado de S.Paulo

15 de fevereiro de 2022 | 02h47

Os Estados Unidos pediram a Honduras a extradição do ex-presidente Juan Orlando Hernández (2014-2022), acusado de tráfico de drogas. 

A informação veio a público logo após o Ministério das Relações Exteriores de Honduras informar em sua conta no Twitter que havia enviado uma "comunicação oficial da Embaixada dos Estados Unidos" à Suprema Corte, solicitando formalmente a prisão provisória de "um político hondurenho", não mencionado, com propósito de extradição para os Estados Unidos.

Segundo as mesmas fontes, Hernández está em território hondurenho. Na noite de segunda-feira, 14, foram vistas forças de segurança rondando sua residência na capital Tegucigalpa. 

Enquanto isso, o canal de notícias CNN exibiu o documento no qual o Ministério das Relações Exteriores faz o pedido ao Supremo Tribunal "para fins de extradição de Juan Orlando Hernández Alvarado, vulgo JOH, para os Estados Unidos da América".

Em 7 de fevereiro, o chefe da diplomacia dos EUA, Antony Blinken, havia declarado que Hernández foi incluído, em 1º de julho de 2021, na lista de pessoas acusadas de corrupção ou de minar a democracia em El Salvador, Guatemala e Honduras.

"Os Estados Unidos estão promovendo transparência e prestação de contas na América Central ao tornar públicas as restrições de visto contra o ex-presidente de Honduras, Juan Orlando Hernández, devido a atos de corrupção", detalhou Blinken. "Ninguém está acima da lei", enfatizou. 

Hernández, que deixou a presidência hondurenha em 27 de janeiro após oito anos no cargo, foi acusado por promotores de Nova York de ligação com o tráfico de drogas. Seu irmão, o ex-deputado "Tony" Hernández, foi condenado em março de 2021 à prisão perpétua nos Estados Unidos pelo mesmo crime. 

Em um comunicado, Blinken observou que "de acordo com vários relatos confiáveis ​​da mídia", Hernandez "se envolveu em corrupção significativa cometendo ou facilitando atos de corrupção e tráfico de drogas e usando o produto de atividades ilícitas para campanhas políticas".

O ex-presidente nega todas as acusações e afirma que essas são uma vingança movida pelos mesmos traficantes que seu governo capturou ou extraditou para os Estados Unidos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.