EUA preparam reabertura do porto da capital haitiana

Equipes de mergulhadores farão buscas na água para identificar obstáculos que bloqueiam canais

Efe,

18 de janeiro de 2010 | 18h52

O Exército dos Estados Unidos começou nesta segunda-feira, 18, a inspecionar o porto da capital haitiana, inoperante devido ao forte terremoto do dia 12, para avaliar os danos e prepará-lo para sua reabertura ainda nesta semana.

 

Veja também:

linkPorto do Haiti deve reabrir em 2 ou 3 dias, diz militar dos EUA

linkOEA pede corredor entre República Dominicana e Haiti

linkAvião da FAB espera 24 horas para pousar no Haiti

 

O navio norte-americano de resgate Grasp chegou nesta segunda ao porto e começou a coordenar as atividades de busca do Grupo 544 de Engenheiros Mergulhadores do Exército para avaliar os estragos e obstáculos que impedem os barcos de atracar, informou a Marinha dos Estados Unidos em um comunicado.

 

O grupo "está pronto para efetuar operações de inspeção na água com o objetivo de identificar obstáculos

VEJA TAMBÉM:
video Assista a análises da tragédia
mais imagens As imagens do desastre
blog Blog: Gustavo Chacra, de Porto Príncipe
especialEntenda o terremoto
especialInfográfico: tragédia e destruição
especialCronologia: morte no caminho da ONU
lista Leia tudo que já foi publicado

 

que estão bloqueando os canais e confirmar possíveis áreas para a descarga de material. Depois, seguirão operações para eliminar os escombros das vias identificadas", disse o capitão Scott Scann.

 

Os mergulhadores trabalharão junto com o grupo encarregado do material de explosivos e de construção debaixo d'água, e também com a unidade de resgate, de acordo com o comandante.

 

O objetivo dos trabalhos é poder reabrir o porto, uma infraestrutura crucial para facilitar a chegada e distribuição de equipamento, pessoal e ajuda humanitária, que agora só pode alcançar o país por via aérea.

 

O Exército dos Estados Unidos espera reabrir o porto dentro de dois ou três dias, segundo o general de brigada Michael Dana. A reabertura do porto possibilitaria outra via de transporte e de comunicação na capital haitiana, dado que no momento só há uma pista operante no aeroporto da cidade.

 

O aeroporto opera a plena capacidade durante as 24 horas do dia, o que permite receber cerca de 100 voos diários com suprimentos e ajuda humanitária, mas sua única pista está congestionada, o que atrasa e dificulta a chegada de assitência internacional.

Tudo o que sabemos sobre:
terremotoHaitiajuda humanitáriaporto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.