EUA retiram porta-aviões Carl Vinson de operações no Haiti

Porta-aviões estava no país desde 15 de janeiro; seus helicópteros distribuíram 500 toneladas de ajuda

Associated Press

01 de fevereiro de 2010 | 18h43

19 helicópteros do porta-aviões ainda ficarão no país. Foto: Phil Coale/AP

 

O porta-aviões americano Carl Vinson retirou-se das atividades de assistência humanitária no Haiti, depois de mais de duas semanas de operações na nação caribenha, mas deixará seus 19 helicópteros para distribuição de ajuda, informou nesta segunda-feira, 1º, o chefe do Comando Sul.

 

Tragédia no Haiti:

video TV Estadão: Há cenas que não consigo tirar da cabeça, diz enviado

mais imagens Olhar sobre o mundo: ensaio fotográfico sobre a noite no Haiti

especial Infográfico: Tragédia e destruição no Haiti

 

O cruzeiro USS Bunker Hill e o navio de estudos oceanográficos USNS Henson, que se somaram aos trabalhos de ajuda imediata depois do terremoto, ainda concluem suas tarefas na região.

 

O porta-aviões Carl Vinson havia se instalado no litoral haitiano no dia 15 de janeiro com 19 helicópteros que distribuíram 500 toneladas de ajuda e voaram mais de 1.000 horas em apoio às operações de socorro e assistência, depois do terremoto, de onde retiraram e trataram 435 pacientes com urgências médicas, informou o Comando sul, com sede em Miami.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.