Evo defende reforçar fronteiras com Brasil e Paraguai

Presidente boliviano nega que decisão de mandar 1.500 militares para a região seja para militarizar a região

Efe,

25 de abril de 2009 | 21h12

O presidente da Bolívia, Evo Morales, defendeu neste sábado, 25, a decisão de seu governo de reforçar com 1.500 militares as fronteiras com Brasil e Paraguai para "garantir a segurança do país" e desmentiu que queira "militarizar" a zona como disse ter ouvido de algumas autoridades.

 

"É constitucional que as Forças Armadas estejam em toda Bolívia e é obrigação do governo nacional garantir a segurança e a integridade do país", afirmou Evo em declarações à imprensa na cidade de Cochabamba.

 

O Executivo boliviano justificou este reforço nos postos militares nas zonas fronteiriças com Brasil e Paraguai no departamento de Santa Cruz (leste) pelo aumento no "tráfico de drogas, armas e inclusive de órgãos e pessoas".

 

No entanto, a oposição qualificou o movimento de tropas como uma "militarização" e "uma nova agressão do governo aos departamentos" do leste boliviano, como afirmou o presidente do Senado, o opositor Óscar Ortiz. O presidente da Bolívia, por sua vez, assegurou que quem é contra ou tem medo das Forças Armadas "são contrabandistas, narcotraficantes ou separatistas".

Tudo o que sabemos sobre:
Bolívia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.