Evo denuncia racismo e pede apuração de mortes em Sucre

Na cúpula do Mercosul, presidente afirma que preconceito está na origem da oposição a seu governo

Efe,

18 de dezembro de 2007 | 14h40

Em meio a conflitos políticos e sociais que atingem a Bolívia, o presidente Evo Morales afirmou nesta terça-feira, 18, que o racismo existente em seu país é um dos principais fatores que contribuem para o agravamento da crise.   Em pronunciamento na cúpula do Mercosul em Montevidéu, o presidente disse ainda que nem o alto escalão do Exército tem autorização para atirar contra o povo, e pediu uma investigação internacional para apurar as mortes durante protestos na cidade de Sucre. O líder também recebeu apoio de outros presidentes do bloco.   "Não sabia que a política é tão suja", disse Morales, se defendendo das acusações que o apontam como ditador e seu governo como assassino. Evo complementou sua fala ratificando seu respeito pelos direitos humanos.   "Todos sabem que minha origem é da luta como dirigente sindical e pela defesa dos direitos dos pobres e indígenas do meu país, e hoje, mais do que nunca, reivindico essas idéias e posturas", acrescentou.   "Em meu país, já me disseram que só os pobres podem tratar dos problemas dos pobres e, como essa é minha origem, acho que estou em condições de ajudá-los. Como presidente boliviano, é meu dever governar para todo meu povo, mas está claro que os pobres são os mais necessitados. Eu cheguei à Presidência com o apoio dos mais humildes e não me esqueci disso", disse.   "Há grupos que impulsionam e praticam o racismo, que falam de maneira depreciativa dos índios e se opõem de maneira sistemática a nosso governo", afirmou.   Ainda segundo Morales, "há grupos de empresários que apóiam o governo, mas recebem pressões e são intimidados para que mudem sua atitude".   "Se não resolvermos o problema social dos camponeses e indígenas na Bolívia, não serão resolvidos os problemas econômicos e de desenvolvimento do país", afirmou o presidente.   Divergências   A Bolívia enfrenta uma grave crise desde o dia 24 de novembro, quando, em primeira instância, um novo texto constitucional foi aprovado.   Em 8 e 9 de dezembro, o novo texto foi aprovado e deve ser submetido a um referendo que Evo classificou sábado, 15, como a "última batalha" contra a oposição.

Tudo o que sabemos sobre:
BolíviaEvo MoralesRacismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.