EFE/Martín Alipaz
EFE/Martín Alipaz

Evo lidera apuração parcial nas eleições bolivianas

Presidente diz ter recebido os parabéns de Chávez e Fidel por vitória 'anti-imperialista' nas eleições

estadao.com.br,

08 de dezembro de 2009 | 14h47

Os primeiros dados da apuração oficial das eleições gerais na Bolívia, divulgados nesta terça-feira, 8, mostram a liderança do presidente Evo Morales, que no domingo declarou ter vencido a votação baseado em dados de pesquisas de boca-de-urna.

Com 20,6% das urnas apuradas, Evo, do Movimento Rumo ao Socialismo (MAS) tem o apoio de 47,8% dos eleitores. O ex-governador Manfred Reyes Villa, da aliança opositora Plano Progresso Bolívia-Convergência Nacional (PPB-CN), está em segundo, com 41,4% dos votos.

 

Já o empresário de La Paz Samuel Doria Medina, da Aliança Social (AS), tem até agora o apoio de 6,7% do eleitorado, enquanto o ex-administrador de Potosí, o quíchua René Joaquino, aparece com

2,8% dos votos.

 

 Quanto aos outros quatro candidatos à Presidência, todos foram votados por menos de 1%.

 

Segundo as pesquisas de boca-de-urna divulgadas logo após as eleições gerais de domingo, Morales se reelegeu com mais de 60% dos votos, o que dá ao seu partido, o Movimento ao Socialismo (MAS), a

maioria absoluta na futura Assembleia Legislativa.

 

A CNE demorou dois dias para apresentar os primeiros dados parciais da apuração. A demora foi atribuída a problemas técnicos no novo sistema, caracterizado pela digitalização das atas eleitorais.

Nesta terça, Evo disse ter sido felicitado pelo presidente venezuelano Hugo Chávez e pelo ex-presidente cubano Fidel Castro. Segundo os líderes esquerdistas, a vitória do boliviano ratifica uma posição 'anti-imperialista' de La Paz.

"São tantas felicitações. Esta vitória não fortalece somente os bolivianos, mas todos os países latino-americanos", disse Evo, segundo a agência France Presse. "Fizemos história e marcamos uma nova etapa de luta".

Com informações da Efe

Tudo o que sabemos sobre:
BolíviaeleiçõesEvoChávezFidel

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.