Evo Morales afasta alto comando militar na Bolívia

Presidente boliviano pede que Forças Armadas mantenham apoio para a "revolução democrata e cultural"

Carlos Alberto Quiroga, REUTERS

03 de janeiro de 2008 | 07h54

O presidente boliviano, Evo Morales, exonerou na quarta-feira, 2, o alto comando militar que o acompanhava desde o início de seu governo e pediu às Forças Armadas para manter o apoio para a sua "revolução democrática e cultural".   Da cúpula militar que Morales indicou no começo de seu mandato em janeiro de 2006, somente restou o general Luis Trigo, promovido do comando da Força Aérea para o comando das Forças Armadas.   "Queremos dizer na presença de muitos membros das Forças Armadas que Evo Morales respeitará a institucionalidade militar", afirmou o presidente após o juramento dos novos chefes militares, em um breve ato noturno no palácio do governo.   Em referência a exigências de autonomia regional e ao diálogo com líderes opositores, Morales disse que "a unidade da pátria não está em debate, aqui estão as Forças Armadas para defender a unidade".   O general Trigo não poupou elogios a seu antecessor e declarou seu compromisso de preservar a democracia e "respeitar a Constituição e o governo legalmente constituído".

Tudo o que sabemos sobre:
BolíviaEvo Morales

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.