Evo Morales decreta aumento de 20% no salário mínimo em 2011

Acréscimo tem por objetivo compensar o impacto provocado pelo aumento no custo dos combustíveis

Efe,

30 de dezembro de 2010 | 01h51

LA PAZ - O presidente da Bolívia, Evo Morales, decretou nesta quarta-feira, 29, um aumento de 20% nos salários dos trabalhadores para 2011 com o propósito de compensar o impacto provocado pelo aumento no custo dos combustíveis.

 

Em mensagem dirigida nesta quarta-feira aos bolivianos, Morales disse que assinou o decreto que estabelece que o salário mínimo nacional aumente em 20% no próximo ano, o mesmo que os valores da Polícia, Forças Armadas e os setores de saúde e educação.

 

O líder indicou que está atuando com "responsabilidade", porque o dinheiro que o Estado empregava para subsidiar os combustíveis, uma parte do qual era desviada pelo contrabando a outros países, passará aos salários.

"Sou responsável com o que disse: esse dinheiro, em vez de sair, ficará aqui. Histórico!", sustentou Morales.

 

Em sua mensagem, o governante também citou outras medidas para assistir os produtores agrícolas e dar planos de emprego de emergência em regiões pobres como a cidade de El Alto, próxima a La Paz, e o Plano 3000 da cidade de Santa Cruz.

Morales voltou a defender o aumento do preço dos combustíveis mais comuns, que subiram entre 57% e 82%, apesar de ter reconhecido que se trata de uma medida "dura" para as famílias.

 

Apesar disso, o presidente boliviano sustentou que agiu para "cuidar da economia" do país, já que em 2011 o subsídio aos combustíveis subiria para

US$ 600 milhões, dos quais metade se perderia pelo contrabando.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.