Hans Deryk/Reuters
Hans Deryk/Reuters

Ex-comandante da operação no tsunami critica ONU por Haiti

Para Egeland, milhares de pessoas morreram 'de forma desnecessária'; ONU respondeu duramente

Jamil Chade, de O Estado de S. Paulo,

22 de janeiro de 2010 | 19h30

O ex número 1 da ONU para operações humanitárias, o norueguês Jan Egeland, ataca a entidade, o governo do Haiti e diz que muitos morreram após o terremoto "de forma desnecessária". "Esse é o escândalo real dessa história", afirmou. Nesta sexta-feira, 22, a ONU se defendeu das críticas, indicou que já havia atendido pelo menos 300 mil pessoas e que a ajuda começava de fato a chegar aos mais necessitados. Ainda assim, a entidade reconhece que mil aviões ainda não conseguiram pousar em Porto Príncipe com ajuda enviada por todo o mundo. Esses voos foram colocados em uma lista de espera.

 

Tragédia no Haiti:

link Préval recorre ao governo do improviso

linkAumentar ajuda a desabrigados se torna desafio

linkBrad Pitt e Robert Pattinson participarão de teleton

 

"Milhares de pessoas morreram sem que isso precisasse ocorrer", afirmou Egeland que, em 2004, comandou a operação na Ásia em relação ao tsunami e chegou a ser mencionado como potencial candidato para o posto de secretário-geral da ONU.

 

Em sua avaliação, nem a ONU nem o governo haitiano prepararam o país para um desastre natural. "O Haiti é um dos países mais atingidos por desastres naturais e não estava preparado", disse. "A culpa é dos políticos locais, mas também da ONU e das ONGs que não investiram no desenvolvimento do Haiti", atacou. Mas os problemas não param por aí. Segundo ele, "a ajuda não chegou à tempo nem de forma suficiente".

 

Indignada, a entidade deu respostas duras. "Não podemos dizer que a ajuda não está chegando. As coisas estão melhorando. Há muito o que fazer, mas estamos indo na direção correta", afirmou Elisabeth Byrs, porta-voz da ONU e ex-funcionária de Egeland.

 

"A ajuda está chegando e nossa estrutura é cada vez melhor para atender as pessoas", alegou. Ela ainda destaca que o porto já funcionará e terá capacidade para 250 containers por dia. O objetivo é de chegar a 350 containeres diários na segunda-feira.

 

Ela também nega problemas com a República Dominicana. "A cooperação é total e o corredor humanitário entre Santo Domingo e Porto Príncipe funciona", disse.

 

Obstáculos

 

Mas os obstáculos são inegáveis, inclusive pela ONU. O combustível prometido para ser entregue na

 

VEJA TAMBÉM:
video Assista a análises da tragédia
mais imagens As imagens do desastre
blog Blog: Gustavo Chacra, de Porto Príncipe
especialEntenda o terremoto
especialInfográfico: tragédia e destruição
especialCronologia: morte no caminho da ONU
lista Leia tudo que já foi publicado
sexta-feira passada às agências humanitárias chegou apenas nesta sexta a Porto Príncipe. A água nem sempre é de boa qualidade, conforme o próprio informe da ONU.

 

Byrs reconhece ainda que houve "falta de coordenação". "Isso é um fato. Mas está sendo arrumado. Pode parecer lenta para alguns (a operação). Mas melhora a cada dia. Viemos o mais rápido possível ao resgate. Mas trata-se de uma operação muito grande e que exige muita coordenação. É verdade que alguns não obtiveram ajuda a tempo. Mas a ONU é enorme. Ninguém fracassou. Fizeram o melhor para salvar o máximo de vida possível", argumentou. Ela lembra que apenas um terço do dinheiro pedido pela ONU está em caixa até esta sexta.

 

Já o Programa Mundial de Alimentos da ONU alerta que as dificuldades de operar no Haiti foram "físicas". "No Haiti, ir do ponto A ao B não é uma linha reta. Mover milhões de toneladas de um local de desastre a outro é algo complexo", afirmou a entidade por meio de sua assessoria de imprensa.

 

Nesta sexta, depois de uma semana de apelos, o Programa de Alimentos finalmente recebeu 60 caminhões. 691 pontos de obstáculos foram registrados apenas entre aeroporto e cidade.

 

Mesmo assim, o Programa Mundial de Alimentos já entregou quase três milhões de porções de comida a mais de 200 mil pessoas - a proporção é de três porções por dia e pessoa para cinco dias. Outras 100 mil pessoas receberam ajuda alimentícia de outras entidades humanitárias.

 

Apesar destes números, a ajuda continua sendo insuficiente. A própria ONU calcula que até dois milhões de pessoas ainda precisam de alimentos. O objetivo agora será o de distribuir dez milhões de porções de alimentos na próxima semana, alcançando 100 mil pessoas por dia.

 

Na próxima segunda-feira, a Unicef ainda iniciará uma ampla campanha de vacinação, inclusive para tentar evitar surtos de rubéola e outras doenças. 350 mil crianças serão atendidas.

 

Apesar disso, a Organização Mundial da Saúde (OMS) confirma que haitianos continuam cruzando a fronteira para a República Dominicana em busca de atendimento de saúde e os hospitais estão transbordando.

 

Sobre o resgate de sobreviventes dos escombros, Byrs garante que vão continuar até o governo pedir, apesar da redução drástica do número de equipes. "Não será a ONU que dirá que a esperança de encontrar alguém acabou", disse.

 

Tudo o que sabemos sobre:
terremotoHaitiajuda humanitáriaOnu

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.