Ex-dirigente da guerrilha colombiana ELN renuncia à luta armada

Um ex-comandante da segunda maiorguerrilha da Colômbia renunciou na quinta-feira à luta armada ese comprometeu a trabalhar pela retomada dos contatos com ogoverno, para que tenha início uma negociação formal de paz. O anúncio de Francisco Galán, que durante anos foi um dosmáximos dirigentes do Exército de Libertação Nacional (ELN),ocorre após um inédito encontro com o presidente Álvaro Uribe. "De maneira voluntária tomei a decisão de renunciar àguerra, não a minhas convicções, renunciei à guerra, acho que éo momento em que o país deve se comprometer a buscar a paz,"disse Galán a jornalistas. O ex-dirigente passou mais de 14 anos preso e participouativamente nos contatos de paz com o governo, que ocorrem emCuba desde o final de 2005 e nos quais se busca uma forma deiniciar a negociação formal. O barbudo ex-guerrilheiro foi libertado em janeiro de 2007,após cumprir três quintos da sua pena de mais de 29 anos.Atualmente vive numa casa de campo perto de Medellín. Galán disse que o processo preliminar de paz estáparalisado desde que o governo exigiu que o ELN concentrassesuas forças e identificasse seus líderes para que ocorresse umatrégua bilateral. "Manifestei [a Uribe] a dificuldade que houve com aexigência de concentração de forças e identificação de pessoas,como se havia chegado a outra etapa de diálogo entre o ELN e ogoverno," afirmou. O ELN surgiu em 1964, inspirado na Revolução Cubana, esegundo analistas está atualmente dizimado por causa daofensiva do Exército e dos paramilitares de ultradireita. Osdirigentes da guerrilha negam que o grupo esteja enfraquecido. Enquanto mantém contatos com o ELN, o governo de Uribe nãoconseguiu estabelecer uma aproximação com a maior guerrilha dopaís, as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc). Um outro processo de negociação, com paramilitares dedireita, levou à desmobilização de mais de 31 mil integrantesdesses grupos, criados por latifundiários na década de 1980para combater as guerrilhas. (Reportagem de Luis Jaime Acosta)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.