Ex-guerrilheiro das Farc quer disputar eleições na Colômbia

Pedro Pablo Montoya Cortés ficou conhecido ao matar chefe de guerrilha e se entregar às autoridades

Efe,

07 de fevereiro de 2010 | 14h50

O ex-guerrilheiro colombiano Pedro Pablo Montoya Cortés, conhecido como "Rojas", que matou seu chefe de guerrilha e cortou a mão dele para se entregar às autoridades e cobrar uma recompensa em dinheiro, quer ser senador, informa neste domingo, 7, o jornal "El Tiempo".

 

Veja também:

link''Há risco de guerra na América do Sul", diz especialista'

linkForças Armadas matam 12 guerrilheiros na Colômbia 

 

Da prisão, Rojas, que pertenceu às Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), pediu ao Conselho Eleitoral a confirmação de que pode se candidatar. O rebelde, acrescenta a publicação, diz que há "um partido pronto para lhe dar o aval" para se candidatar às eleições legislativas que ocorrerão em 14 de março.

 

Rojas está detido na prisão de segurança máxima La Picota de Bogotá. O partido Apertura Liberal está disposto a registrá-lo em sua legenda ao Congresso.

 

Montoya Cortés se apresentou em março de 2008 em um batalhão com a mão do guerrilheiro Ivan Ríos, que era seu comandante e a quem assassinou enquanto dormia com um tiro na cabeça.

 

O jornal afirma que Rojas quer obter uma cadeira no Senado porque, "segundo ele, o Governo descumpriu o que tinha oferecido após sua entrega e porque quer lutar para que esta situação não se repita com outros guerrilheiros desertores".

 

De acordo com Rojas, que permaneceu nas Farc por 16 anos, dele "ninguém" pode duvidar. "Nem o presidente (Álvaro) Uribe, nem a Igreja, nem os políticos, nem os partidos de esquerda, nem a imprensa".

 

Rojas diz que, se for eleito, será um promotor da reforma agrária e um gerente da paz. No entanto, o ex-guerrilheiro é acusado de terrorismo, homicídio, delinquência e porte ilegal de armas.

 

"El Tiempo" lembra que a Constituição colombiana "estabelece que, se uma pessoa não foi condenada, pode se candidatar ao Congresso". Rojas ressaltou que ele até agora não foi condenado.

Tudo o que sabemos sobre:
guerrilheiroFarceleiçoesColombia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.