Iván Franco/Efe
Iván Franco/Efe

Ex-guerrilheiro enfrentará ex-presidente no 2º turno no Uruguai

Com 99% dos votos apurados, o governista Mujica aparece com 48% dos votos; Lacalle tem 28%

estadao.com.br,

26 de outubro de 2009 | 07h42

 O partido governamental Frente Ampla (FA) venceu este domingo o pleito geral realizado no Uruguai, mas seu candidato, o ex-guerrilheiro tupamaro José Pepe Mujica, terá que enfrentar o ex-presidente Luis Alberto Lacalle em um segundo turno no final de novembro.

 

Veja também:

link Estado dá garantias sociais e interfere na economia

link Uruguaios rejeitam anular lei que anistiou militares da ditadura

blog Blog do Ariel Palacios: O ordenhador da burguesia e o Freddy Krueger do gasto público

 

Com 99% dos votos apurados, a coalizão de esquerda no poder conseguiu um respaldo de 48,13% dos eleitores e, embora ainda tenha maioria no Parlamento, agora haverá de lidar pela Presidência com uma eventual aliança de Lacalle, candidato do Partido Nacional (PN, Blanco) com o outro líder de centro-direita, o aspirante do Partido Colorado, Pedro Bordaberry. Após conseguir 28,96% dos votos, o ex-presidente Lacalle vê em Bordaberry um apoio chave para aspirar a vitória, pois o "colorado" conta com 16,93% dos votos, o dobro do previsto nas enquetes, e já anunciou que votará no candidato do Partido Nacional no turno seguinte, em 29 de novembro.

 

Mujica causa preocupação no setor financeiro com suas promessas de acabar com o sigilo bancário do Uruguai, considerado o paraíso fiscal da região. Ele diz, porém, que seu modelo de esquerda se aproxima do estilo moderado do presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva - e não do radicalismo do venezuelano Hugo Chávez. Lacalle também causa desconfiança: embora liberal, não se comprometeu em alterar a forte presença estatal na economia.

 

Com 75 anos, ex-ministro da Agricultura e senador, Mujica deu seus primeiros passos no grupo "errado", o Partido Nacional, com cujo candidato e hoje máximo rival, Lacalle, chegou a compartilhar fileiras em uma convenção da juventude partidária em 1958. No entanto, Mujica em breve trocou a militância pela atividade guerrilheira no seio do MLN-T, que lhe custou seis ferimentos à bala e mais de 13 anos de prisão em condições sub-humanas durante a ditadura que imperou no Uruguai entre 1973 e 1985. Com o retorno da democracia e beneficiado pela lei de anistia aos tupamaros, Mujica voltou para a política como líder do Movimento de Participação Popular (MPP), setor majoritário da Frente Ampla.

 

Com um estilo reto e desalinhado e um discurso simples, infestado de jargão e metáforas cotidianas, Mujica fez de si mesmo um espelho no qual hoje milhares de uruguaios se olham, esperançosos por seus ideais revolucionários e seu compromisso com a luta social. No entanto, a espontaneidade se perfilou como uma faca de dois gumes para o veterano político, cujas saídas de tom, frequentemente acompanhadas de gritos e impropérios, lhe valeram críticas da oposição e dentro de seu partido durante a campanha eleitoral. Alertado por seus próprios excessos, Mujica nos últimos tempos tem adotado uma postura mais sossegada e contida, centrada em promover-se como herdeiro do atual presidente, Tabaré Vázquez.

 

(Com Ariel Palacios, de O Estado de S. Paulo)

Tudo o que sabemos sobre:
Uruguaieleições

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.