Ex-guerrilheiros das Farc presos pedem perdão às vítimas

Ato de reconciliação foi promovido por mais de 700 ex-rebeldes; ex-prisioneiros dizem que aceitam desculpas

Efe,

18 de julho de 2008 | 19h55

Em um ato de reconciliação nacional, um grupo de desmobilizados das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) pediu perdão publicamente na prisão bogotana de La Picota a uma representação de policiais e militares vítimas das minas terrestres antipessoais. Veja também:Farc seqüestram nove pessoas no oeste da ColômbiaPor dentro das Farc Histórico dos conflitos armados na região    O ato foi promovido pelos 700 presos integrantes do movimento Manos por la Paz, formado por ex-guerrilheiros que apóiam a reconciliação nacional, e Tejido Humano, organização de serviço a incapacitados, viúvas e órfãos da Polícia, jovens desvinculados da violência e civis vítimas de minas terrestres antipessoais. Com o gesto, os ex-guerrilheiros cumprem uma das exigências para se integrar no marco da Lei de Justiça e Paz, uma norma que concede benefícios penitenciários e econômicos aos membros de grupos ilegais que deponham as armas e colaborem com o Estado. O encontro aconteceu no pavilhão de máxima segurança do presídio de La Picota e os ex-combatentes, após entoar uma canção escrita por eles mesmos, pediram perdão individualmente às vítimas e parentes de desabrigados que se encontravam no local. Raúl Agudelo, conhecido como "Olivo Saldaña" e porta-voz dos desmobilizados, fez um apelo ao Secretariado (principal órgão) das Farc e disse que o "anel nacional do povo colombiano é a liberdade dos reféns". Ele também pediu a "liberdade incondicional de todos os seqüestrados." O ex-guerrilheiro acredita que as Farc continuam representando um perigo real. As vítimas e os familiares das vítimas presentes afirmaram perdoar os ex-rebeldes, que cometeram decisões "equivocadas."

Tudo o que sabemos sobre:
FarcColômbia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.