Ex-negociador das Farc é morto na Colômbia

Militares colombianos anunciam morte de guerrilheiro e prisão de militante ligado ao secretáriado do grupo

Efe e Associated Press,

30 de outubro de 2008 | 11h21

O chefe guerrilheiro das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) Felipe Rincón foi morto em combate junto a cinco rebeldes, segundo informaram nesta quinta-feira, 30, fontes militares colombianas. Ainda nesta quinta, o Exército colombiano afirmou que prendeu o segundo homem de uma ativa frente do grupo. Havia sete ordens de prisão contra o rebelde, por diversos delitos.   Veja também: Por dentro das Farc  Histórico dos conflitos armados na região      O líder guerrilheiro morto, cujo nome verdadeiro era Álvaro Alfonso Serpa, foi um dos três rebeldes escolhidos há alguns anos pelas Farc para negociar com o governo a troca humanitária de seqüestrados por rebeldes presos. O insurgente participou dos diálogos de paz como membro de um dos denominados "comitês temáticos", organizados pelas Farc e o então governo de Andrés Pastrana (1998-2002). Em 2000, Serpa e outros sete guerrilheiros viajaram por vários países da Europa para explicar o alcance do processo de diálogos com o governo de Pastrana, que finalmente foi rompido em fevereiro de 2002.   O capturado é José Marvel Zamora, apelidado de "Chucho", considerado o homem mais importante de "Mono Jojoy", comandante militar das Farc e membro do secretariado da organização. O guerrilheiro de 39 anos foi capturado na zona rural de Coyaima, 155 quilômetros a sudoeste de Bogotá. Ele era procurado por homicídio e seqüestro, entre outros crimes, e já foi condenado a 25 anos por terrorismo. As Farc perderam vários membros importantes e sofreram outros reveses em 2008, entre eles a libertação da ex-candidata à presidência Ingrid Betancourt, em julho.

Tudo o que sabemos sobre:
guerrilha

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.