Ex-parlamentar é condenada por favorecer reeleição de Uribe

Yidis Medina deve cumprir prisão domiciliar ter recebido suborno para votar a favor de proposta governista

Efe,

25 de junho de 2008 | 14h32

A Corte Suprema de Justiça da Colômbia condenou nesta quarta-feira, 25, a ex-congressista Yidis Medina a 43 meses de prisão domiciliar, após ser considerada responsável do crime de suborno ao favorecer, com seu voto, a reeleição do presidente Álvaro Uribe em 2005, informaram fontes judiciais.   Medina, ex-representante à Câmara, detida desde abril, cumprirá a pena em casa, por ser responsável pelo sustento da família. A ex-parlamentar mudou seu voto, que inicialmente era contrário, conforme confessou, graças aos benefícios recebidos então por parte de altos funcionários.  Segundo o advogado de Yidis Ramón Ballesteros, sua cliente deverá deixar nesta semana a penitenciária feminina de Bogotá, onde está detida desde abril deste ano.   O atual embaixador na Itália, Sabas Pretelt, que era ministro do Interior e de Justiça, e o também ministro da Proteção Social, Diego Palacio Betancourt, assim como o ex-secretário da Casa de Nariño, sede do Executivo, Alberto Velásquez, são algumas das autoridades envolvidas no escândalo.   Na segunda-feira passada, no marco da mesma polêmica, a Promotoria abriu investigação formal e ordenou que Pretelt preste depoimento. O embaixador foi acusado de ter oferecido, em nome do governo, benefícios burocráticos a Yidis Medina em troca de que ela votasse a favor da reeleição presidencial, durante um debate na Comissão Primeira da Câmara de Representantes.   A Promotoria também tenta estabelecer se os funcionários ofereceram vantagens governamentais a outro ex-membro da Câmara Baixa, Teodolindo Avendaño, preso desde maio, que se ausentou no dia da votação, apesar de ter anunciado o voto contra, ajudando, assim, a aprovar a reforma que permitiu a Uribe um segundo mandato consecutivo (2006-2010).   Matéria ampliada às 14h50.

Mais conteúdo sobre:
ColômbiaÁlvaro Uribe

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.