Ex-policial argentino acusado de tortura e homicídio é preso

Fugitivo, que era procurado por 18 mortes entre 1975 e 1977 na Patagônia argentina, estava na Espanha

Efe,

24 de julho de 2009 | 09h04

A polícia espanhola prendeu o ex-subcomissário da Polícia Federal argentina Jorge Alberto Soza, requisitado pelas autoridades judiciais de seu país por ser suspeito de vários crimes de lesa-humanidade.

Fontes policiais informaram que a detenção aconteceu na província mediterrânea de Valência, em data não revelada.

A Justiça argentina considera que Soza, de 72 anos e que também tem nacionalidade espanhola, participou da detenção ilegal e da tortura de pessoas acusadas de fazer parte de células terroristas em, pelo menos, 18 ocasiões.

Estas condutas se enquadram nos crimes de lesa-humanidade e, por isso, o fugitivo pode ser condenado a três e 15 anos de prisão.

O fugitivo era procurado por fatos ocorridos entre 1975 e 1977 na cidade de Neuquén, na Patagônia argentina. Segundo a Polícia da Espanha, ele se instalou com sua família na localidade espanhola de Carcaixent, na província de Valência, em 192.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.