Ex-preso cubano chega aos EUA

Ariel Sigler foi libertado antes dos 20 prisioneiros enviados a Espanha por motivos de saúde

Efe,

28 de julho de 2010 | 17h59

Paraplégico, Sigler desembarca no aeroporto internacional de Miami

 

MIAMI- O ex-prisioneiro político cubano Ariel Sigler Amaya, que ficou paraplégico na prisão, chegou nesta quarta-feira, 28, com um visto humanitário aos Estados Unidos. Ele agradeceu a hospitalidade americana, mas disse "sentir dor" por deixar Cuba e seus compatriotas presos "na masmorra do tirano Fidel Castro".

 

Veja também:

blog Fariñas: 'Temos de aproveitar a janela'

especialEntenda a crise dos presos políticos de Cuba

lista Veja lista dos 52 presos políticos

 

Sigler aterrissou no aeroporto internacional de Miami vindo direto de Havana, e foi recebido por funcionários e políticos locais junto com integrantes da diáspora cubana que vestiam camisas com o rosto do prisioneiro político falecido, Orlando Zapata Tamayo.

 

"Sinto uma mistura de alegria e de dor. Alegria porque estou em uma pátria livre onde realmente se respeitam os direitos humanos, que me acolheu para me ajudar no restabelecimento da minha saúde. E dor porque sou um patriota, deixo meu país, meu irmão Guido e todos os irmãos de luta que se encontram na masmorra do tirano Fidel Castro", disse o ex-prisioneiro.

 

Sigler, de 47 anos, era boxeador antes de ser preso, e foi libertado em junho com uma licença extrapenal por seu precário estado de saúde. Sua libertação foi o primeiro resultado do diálogo entre o governo de Raúl Castro e a Igreja Católica, com mediação da Espanha.

 

As autoridades cubanas condenaram Sigler e seu irmão Guido a 20 anos de prisão por supostamente "estarem vinculados a potências inimigas".

 

Miguel Sigler, irmão dos dois opositores que reside em Miami desde 2005, afirmou à Efe que "Guido continua atrás das grades porque se recusa a ser enviado à Espanha".

 

Além de Ariel Sigler, o governo cubano já libertou 20 presos políticos que se encontram na Espanha e se comprometeu a libertar mais 32 dissidentes em um prazo máximo de quatro meses.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.