Ex-refém acredita que Ingrid será libertada 'muito em breve'

Ex-senador colombiano Luis Eladio Pérez diz que a refém será solta porque as 'Farc têm pressa'

Efe,

07 de maio de 2008 | 18h01

O ex-senador colombiano Luis Eladio Pérez, liberado pelas Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) em fevereiro, acredita que a guerrilha libertará "muito em breve" Ingrid Betancourt, para tentar sair da lista européia de organizações terroristas e obter um estatuto de "beligerante". "Ingrid vai sair muito rapidamente porque agora as Farc têm pressa", afirmou o ex-refém à revista francesa VSD.   Veja também Ingrid ainda pretende chegar à Presidência, diz ex-refém Por dentro das Farc  Entenda a crise  Histórico dos conflitos armados na região     As Farc "já não querem fazer parte dos grupos terroristas da Comunidade Européia. Querem um estatuto de beligerante, um reconhecimento político por parte do presidente colombiano, Álvaro Uribe", destacou Pérez.   Após lembrar que o presidente francês, Nicolas Sarkozy, assumirá a Presidência semestral da União Européia no dia 1º de julho, o ex-refém afirmou que "não há melhor ocasião para as Farc, que sabem que ele (Sarkozy) será o responsável por pedir a suspensão das ações travadas contra elas."   Eladio Pérez destacou que caso ocorra algo "grave" à franco-colombiana, "todo mundo sabe que será o fim das Farc, mas também o começo do fim para Uribe."   Por outro lado, o ex-refém afirmou que o ministro francês de Exteriores, Bernard Kouchner, ratificou, durante sua recente viagem pela região, a proposta da França de aceitar guerrilheiros em seu território.   "A condição primordial é que a guerrilha liberte os quatro civis, incluindo Ingrid Betancourt", destacou Pérez. "Trabalhávamos nesse esquema antes da morte de Raúl Reyes", disse, em alusão ao número dois das Farc, morto em uma operação militar colombiana em território equatoriano no dia 1º de março.   Para o ex-senador colombiano, a escolha do presidente da Venezuela, Hugo Chávez, como mediador é a única opção, porque "as Farc acreditam nele."   Pérez acredita que Ingrid teria sido liberada no mesmo momento que ele, caso seu caso fosse menos midiático. A refém "sofre muito por esta 'ingridmania'", avaliou Pérez.   Ingrid Betancourt, uma ex-candidata à Presidência colombiana, está em poder das Farc desde 2002.

Tudo o que sabemos sobre:
FarcIngrid BetancourtColômbia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.