Ex-repressor argentino morre a 4 dias de ser sentenciado

O ex-repressor argentino HéctorFebres, que estava detido por causa de crimes cometidos duranteo último regime militar argentino, morreu na segunda-feira,quatro dias antes de a Justiça proferir sua sentença, segundofontes judiciais. Febres, 66 anos, estava sendo julgado por quatro casos detortura ocorridos entre 1977 e 1981 na Escola de Mecânica daMarinha (Esma), principal centro clandestino do regime, poronde milhares de dissidentes foram torturados. "Está confirmado que faleceu hoje (segunda-feira) de manhãe que se ordenou uma autopsia. Aparentemente foi uma mortenatural", disse uma fonte judicial, sob condição de anonimato. O julgamento do ex-superintendente da Marinha, primeiroprocesso relativo à sinistra Esma, começou em outubro eterminaria na próxima sexta-feira. "Já não será lido o veredicto, extingue-se a ação penal pormorte", disse a fonte. Três ex-repressores foram julgados no último ano naArgentina, entre eles um ex-sacerdote. Todos os réus foramcondenados a prisão perpétua. O atual governo conseguiu reverter leis de anistia dadécada de 1980, o que permite que haja punições aos crimes daditadura. (Por Karina Grazina)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.