EXCLUSIVO-Cuba aceita diálogo com União Européia, diz carta

O governo cubano aceitou, com condições,retomar as conversas políticas com a União Européia (UE),segundo uma nota enviada por Cuba a Bruxelas em resposta asuspensão de sanções diplomáticas contra a ilha. A UE levantou em 19 de junho as sanções que havia impostoem 2003, depois da prisão de 75 dissidentes, e convidou ogoverno de Cuba a estabelecer um "diálogo político global". "O Ministério das Relações Exteriores comunica que aceita aproposta de estabelecer o referido diálogo, uma vez que seestabeleçam de comum acordo os fundamentos e as bases sobre asquais o mesmo deverá se desenvolver", disse a chancelariacubana em uma nota entregue nos primeiros dias de setembro àEmbaixada da França em Havana. O governo francês possui a presidência rotativa da UE nomomento. A eliminação das sanções e a aceitação do diálogo abremcaminho para uma futura normalização das relações entre Cuba eUE, que estiveram perto de serem quebradas. Cuba considerava que as sanções, que estavam suspensasdesde 2005, eram inaceitáveis. "O acordo alcançado para a eliminação definitiva dassanções constitui uma retificação necessária", acrescentou anota cubana. As sanções foram suspensas por iniciativa da Espanha edepois de árduas negociações com outros membros do bloco, comoAlemanha, Suécia, e República Tcheca. Ao anunciar a decisão, que será revisada no próximo ano, aUE disse que esperava ver melhoras em matéria de direitoshumanos e liberações de presos políticos em Cuba. Cuba respondeu que a UE faz "juízos de valor" que não lhecompetem. "O Ministério considera inaceitáveis e rejeitaenergicamente os contínuos questionamentos que a UE expressasobre o sistema político, econômico e social cubano, para oqual não lhe reconhece autoridade alguma", disse a nota. (Reportagem de Esteban Israel)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.