Exército colombiano nega pagamento às Farc por reféns

Rádio suíça acusou Colômbia de ter pago US$ 20 milhões pela libertação de Ingrid e outros prisioneiros

Reuters,

04 de julho de 2008 | 12h30

A Colômbia negou nesta sexta-feira, 4, que tenha pago US$ 20 milhões às Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) pela libertação de Ingrid Betancourt, três americanos e outros 11 militares e policiais colombianos mantidos pela guerrilha na selva, como afirmou reportagem de uma rádio suíça. De acordo com uma fonte anônima citada pela rádio suíça Romanda, a operação de resgate dos 15 reféns, na qual homens do Exército se passaram por membros de uma organização humanitária, foi uma montagem.  Veja também:Rádio diz que reféns das Farc foram 'comprados' por US$ 20 miIngrid Betancourt é recebida por Sarkozy na França'Fiquei acorrentada 24 horas por dia durante 3 anos' O drama de IngridPor dentro das Farc Histórico dos conflitos armados na região   Cronologia do seqüestro de Ingrid BetancourtLeia tudo o que foi publicado sobre Ingrid  O comandante das Forças Militares, general Freddy Padilla de León, reiterou que a libertação de Betancourt, símbolo mundial do sequestro, e dos outros 14 reféns foi uma operação de infiltração nas Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc). "Como comandante geral das Forças Armadas e por minha honra militar, nego que o governo da Colômbia tenha gasto um só peso, um só centavo", disse Padilla de León à rádio local. A operação de resgate realizada na quarta-feira no meio da selva, na qual nenhum tiro foi disparado, foi aprovada por líderes mundiais, muitos dos quais defendiam uma negociação com as Farc em vez do uso da força. A informação da rádio suíça, que disse ter consultado uma fonte confiável, assegurou que, na verdade, os reféns foram soltos em troca de pagamento. Mas Padilla de León disse que, se isso fosse verdade, o golpe teria sido ainda mais duro para a guerrilha, porque teria quebrado a disposição de luta do grupo rebelde. "Isso seria ainda mais demolidor para o interior das Farc, teria sido um incentivo para que outros se somem à desmobilização que estamos privilegiando. Isso seria um troféu", declarou ele. Na operação, o Exército capturou Gerardo Antonio Aguillar, codinome "César", e Alexander Farfán, codinome "Gafas", acusados de serem os responsáveis pelos reféns, a quem submetiam a maus tratos como o acorrentamento. Os Estados Unidos anunciaram que gostariam da extradição dos chefes guerrilheiros e o comandante do Exército da Colômbia, general Mario Montoya, se mostrou de acordo com a entrega dos dois à Justiça norte-americana. Padilla de León também negou que assessores militares de Israel tenham auxiliado o plano de resgate.  Resposta de Ingrid Ingrid Betancourt também negou nesta sexta que a operação tenha sido uma "peça", em uma coletiva de imprensa logo após chegar em Paris, segundo informações da agência de notícias France Presse.

Tudo o que sabemos sobre:
ColômbiaFarc

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.