Efe
Efe

Exército venezuelano assume controle de mais dois aeroportos

Medida foi autorizada pelo Parlamento, de maioria chavista; oposição anuncia 'emergência nacional e rebeldia'

Agências internacionais,

25 de março de 2009 | 16h32

A Guarda Nacional da Venezuela tomou nesta quarta-feira, 25, o controle de outros dois aeroportos, no Estado de Táchira, localizado na fronteira com a Colômbia, em cumprimento da lei de centralização do presidente Hugo Chávez, informaram fontes oficiais à agência France Presse. O procedimento foi autorizado nesta semana pela Assembleia Legislativa, que também endossou a tomada de outros três aeroportos nos Estados de Miranda e Zulia, todos controlados pela oposição.

 

Veja também:

linkChávez diz que paga impostos e exige fim de 'esbanjamento'

linkChávez acusa governadores de oposição de separatismo

lista Conheça as medidas de centralização anunciadas por Chávez

 

No sábado, os militares assumiram o controle de sete terminais aéreos e marítimos, entre eles os da cidade de Maracaibo, segunda maior do país e reduto da oposição. O Parlamento, de maioria chavista, justificou a autorização sob o argumento de que a centralização é de "grande importância estratégica para a segurança da nação". Para Chávez, a medida é necessária para "reunificar a pátria que estava em pedaços."

 

Prefeitos e governadores da oposição se declararam nesta quarta-feira em "emergência nacional e rebeldia" contra a centralização e "perseguição política" do governo. A declaração significa "uma resistência ativa e que não vai parar", disse o governador de Zulia, Pablo Pérez, em entrevista coletiva.

 

A oposição conquistou nas eleições de novembro passado cinco dos 22 governos regionais e um quinto das mais de 330 prefeituras da Venezuela, em cidades estratégicas, tradicionalmente governadas pelo Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV), liderado por Chávez.

 

"A resistência democrática seguirá nas ruas" e começará no próximo sábado, em Táchira. "Não pararemos diante deste processo de criminalização da política. Não temos medo e estaremos com ações de protestos pacíficos, conscientes e permanentes em todas as regiões e municípios do país", completou Pérez. "Não por uma ponte nem por um aeroporto, mas pela luta em respeito a Constituição e soberania popular que querem ser burladas pelo governo", concluiu.

 

EMPRESAS

 

Ainda nesta quarta-feira, Chávez assinou dois decretos. Um deles cria uma empresa estatal para gerir os portos do país e o outro trata da criação de outra estatal para comandar o aeroportos. As novas empresas terão de trabalhar sob regras socialistas e buscar o desenvolvimento das regiões nas quais seus respectivos portos e aeroportos operam, disse o presidente. As duas companhias farão parte do Ministério de Infraestrutura e Habitação.

 

Tudo o que sabemos sobre:
VenezuelaHugo Chávez

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.