Exploração sexual já atingiu um milhão de crianças na AL, diz ONG

78% dos maus-tratos sexuais contra crianças são cometidos por pessoas próximas ou do entorno familiar

Efe,

16 de outubro de 2007 | 02h03

Cerca de um milhão de meninos e meninas já sofreram algum tipo de abuso sexual na América Latina, segundo a ONG Coalizão Contra o Tráfico de Mulheres e Meninas na América Latina e o Caribe. Durante a apresentação de uma campanha sobre a prevenção do abuso sexual contra menores, a diretora regional da ONG, Teresa Ulloa ressaltou na segunda-feira, 15, que a região latino-americana se transformou em origem e trânsito do tráfico de mulheres e meninas para a exploração sexual. A diretora da ONG afirmou que os principais países envolvidos no tráfico de meninas e mulheres no continente são México, República Dominicana, Equador, Guatemala, El Salvador, Paraguai, Bolívia e Colômbia. Segundo Ulloa, os principais destinos das mulheres e meninas latino-americanas são Espanha, Japão, Holanda, Alemanha e Grécia, assim como algumas cidades dos Estados Unidos e Canadá. Na nova campanha, a ONG usa um vídeo de dez minutos de duração, no qual desenhos encorajados pretendem conscientizar a população infantil sobre o cuidado de sua saúde e seu corpo. "Acreditávamos que era difícil falar com as crianças abertamente sobre a exploração sexual, portanto decidimos fazer isso de um ponto de vista integral, falar do cuidado de sua saúde, do direito que têm de não ser maltratados e, ao mesmo tempo, que ninguém pode tocar seu corpo", explicou Ulloa. Segundo a representante da ONG, 78% dos maus-tratos sexuais contra crianças são cometidos por pessoas próximas ou de seu entorno familiar.

Tudo o que sabemos sobre:
exploração sexualcriançasmulheres

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.