Falha em notificação sobre Aids derruba ministra no Chile

A ministra chilena da Saúde, Maria Soledad Barría, renunciou na terça-feira por causa de um escândalo ocorrido no norte do país, um dia depois de a presidente Michelle Bachelet anunciar uma reforma do seu gabinete, preparando-se para a eleição presidencial de 2009. O governo disse que Bachelet, em visita oficial à Costa Rica, aceitou a renúncia de Barría e designou sua adjunta, Jeanette Vega, para substituí-la. Neste mês, causou indignação no país a notícia de que um hospital de Iquique (norte) havia deixado de comunicar a dezenas de pacientes que eles estavam contaminados com o HIV, vírus causador da Aids. Antes de renunciar, a ministra afastou três funcionários possivelmente envolvidos no caso. Ela disse que sairia do cargo para "deixar de lado acusações políticas que estão tentando enlamear um sistema que é bom". "As instituições da nossa nação não podem ser alvo dos que buscam obter capital político e querem forçar a derrota do governo", acrescentou. Em meio a uma onda de protestos e escândalos, a Concertação (coalizão de centro-esquerda que governa o Chile) sofreu uma derrota nas eleições municipais de domingo, e a Aliança (coalizão de direita) agora é vista como favorita na eleição presidencial de 2009. (Reportagem de Antonio de la Jara e Bianca Frigiani)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.