Familiares de mineiros no Chile devem pedir indenização de US$ 27 mi

27 parentes querem que empresa dona da mina e Estado indenizem trabalhadores em US$ 1 mi cada

Efe,

29 de setembro de 2010 | 23h01

SANTIAGO- Os familiares de 27 dos 33 mineiros presos em uma mina no norte do Chile apresentarão um pedido de indenização de US$ 27 milhões a empresa San Esteban, dona do local que desabou em 5 de agosto, deixando os trabalhadores soterrados a 700 metros de profundidade.

 

Veja também:

especialInfográfico: animação mostra como será o resgate

especialLinha do tempo: os piores acidentes da década

 

Segundo informaram fontes oficiais nesta quarta-feira, 29, a iniciativa será entregue à Corte de Apelações de Copiapó, cidade mais próxima da mina, e tem como objetivo "que cada trabalhador afetado receba como indenização US$ 1 milhão".

 

Segundo Brunilda González, prefeita de La Caldera, o pedido de indenização também deve envolver funcionários do Estado que permitiram a reabertura da mina San José, e o próprio Estado do Chile.

 

"A Justiça determinará como será repartido, quem paga e quem é responsável", acrescentou Brunilda.

 

Estima-se que o resgate dos mineiros ocorra nos últimos dias do mês de outubro, segundo especialistas que trabalham no local.

 

Nesta quarta, as autoridades divulgaram um novo vídeo dos mineiros, que cooperam desde o fundo da mina no chamado "Plano B", limpando os restos do material que caem com a perfuração da máquina T-130.

 

Os trabalhadores recolhem os restos de rocha, barro e água resultantes dos trabalhos de perfuração.

 

O engenheiro chefe do resgate, André Sougarret, explicou em declarações à Rádio Cooperativa que eles trabalham organizados em três turnos de 11 pessoas e retiram cerca de oito toneladas de material por dia.

 

Leia ainda:

link Máquina do 'Plano B' retoma trabalhos para resgatar mineiros no Chile

Tudo o que sabemos sobre:
mineirosChileSan Joséresgate

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.