Familiares de reféns das Farc pedem que Uribe volte a negociar

Segundo procurador colombiano, material pode ser considerado 'prova de sobrevivência' de seqüestrados

Associated Press e EFE,

30 de novembro de 2007 | 17h20

Os parentes de 16 reféns seqüestrados pelas Farc receberam entre sorrisos e lágrimas os vídeos que trazem provas de vida de seus entes queridos divulgados nesta sexta-feira, 30. Em alguns casos, as imagens são as primeiras a serem vistas em mais de quatro anos.   Veja também: Exército colombiano acha prova de vida de reféns Colômbia querFrança como mediadora Assista às imagens de Betancourt e outros reféns (BBC)  Especial: Tensão na América do Sul    O presidente colombiano, Alvaro Uribe, celebrou as imagens, mas manifestou tristeza por não haver notícias sobre todos os seqüestrados, que, segundo grupos não-governamentais, podem passar de 500.   Os cinco vídeos e sete cartas trazidas à tona nesta sexta-feira foram descobertas na quinta, 29, depois que o Exército prendeu três suspeitos de pertencer às redes urbanas das Farc. A informação foi tornada pública pelo comissário de paz colombiano, Luiz Carlos Restrepo.   Nesta sexta, o procurador-geral colombiano, Mario Iguarán, confirmou tratar-se de "provas de sobrevivência" dos reféns, informou a France Presse.   "Essas interceptações estão devidamente respaldadas, o que permitiu as capturas e a divulgação desse material que poderíamos chamar de provas de sobrevivência", disse Iguarán, referindo-se à legalidade das investigações que levaram aos vídeo e cartas.   Legais ou não, o fato é que além de expressarem alegria por rever seus entes queridos, a maioria dos familiares dos reféns pediram ao presidente que volte a negociar com as Farc para a libertação dos cativos.   O material é datado de janeiro e outubro de 2007.   Ainda segundo Iguarán, os detidos - um homem e duas mulheres - eram seguidos há pelo menos 15 dias devido a interceptações de e-mails e ligações. Entre os reféns que aparecem no vídeo está a ex-candidata à Presidência da Colômbia Ingrid Betancourt.    Em um dos vídeos, Betancourt, que também tem a nacionalidade francesa, aparece sentada em uma cadeira de madeira na floresta, aparentemente acorrentada, magra e com o cabelo muito comprido. Ela está sob o poder da guerrilha desde 2002.   De acordo com Juan Carlos Lecompte, marido da ex-candidata, em uma das cartas ela agradece a todas as mensagens de solidariedade que recebeu. Também aparecem nos vídeos os americanos Keith Stansell, Marc Gonsalves e Tom Howes, capturados em 2003.   A mãe de Gonsalves, Jo Rosano, disse acreditar que os vídeos e cartas haviam sido reunidos como parte das "provas de vida" dos reféns exigidas pelo presidente da Venezuela, Hugo Chávez, durante seu período como mediador entre o governo colombiano e a guerrilha.   A atuação de Chávez foi encerrada por Uribe, que não tolerou a iniciativa do presidente do país vizinho de contactar diretamente o comando do Exército colombiano.

Tudo o que sabemos sobre:
ColômbiaFarcreféns

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.