Farc admitem execução de 8 indígenas no sul da Colômbia

A maior guerrilha de esquerda da Colômbia admitiu nesta terça-feira a execução de oito indígenas em uma área de selva do sudoeste do país e acusou as vítimas de realizar serviços de inteligência para o Exército. Autoridades colombianas informaram na semana passada que até 27 indígenas da etnia awá teriam sido assassinados por rebeldes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) no Departamento (equivalente a Estado) de Nariño, mas que mesmo com as denúncias os corpos nunca foram encontrados. "Nossas unidades guerrilheiras prenderam 8 pessoas que recolhiam, por grupos, informações sobre a gente para depois levá-las às patrulhas militares que realizam operações na região", disse o grupo rebelde em comunicado divulgado através da agência Anncol. As Farc afirmaram que os indígenas realizavam explorações, localizavam a guerrilha e depois repassavam os dados aos militares do Exército que realizavam operações contra os insurgentes. "Diante da pressão da operação, sua responsabilidade na morte de muitos guerrilheiros e sua inegável participação ativa no conflito, foram executados", reconheceram as Farc, que figuram na lista de organizações terroristas dos EUA e da União Europeia. "Essa nossa ação não foi contra indígenas, foi contra pessoas que independentemente de sua raça, religião, etnia, ou condição social, aceitaram dinheiro e se colocaram a serviço do Exército em uma área que é objeto de uma operação militar", acrescentaram. O ministro de Defesa da Colômbia, Juan Manuel Santos, disse que o comunicado demonstra que as Farc não têm escrúpulos e pediu que a comunidade internacional condene esse massacre. O comandante das Forças Militares, general Freddy Padilla de León, negou que os indígenas façam parte de redes de informantes remunerados pelo Exército, como denunciou a guerrilha, e assegurou que o crime foi "inadmissível". A comunidade awá, à qual pertenciam as vítimas, é um dos 87 povos indígenas da Colômbia e um dos que se encontram em risco de extinção como resultado do conflito armado de mais de quatro décadas, de acordo com a ONU. O governador do Departamento de Nariño disse que, apesar do comunicado das Farc, só foi encontrado o corpo de uma das vítimas, e denunciou que outros 14 indígenas foram dados como desaparecidos. (Reportagem de Luis Jaime Acosta)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.